quarta-feira, janeiro 15, 2014

Os livros de 2013


Foto: arquivo pessoal de Jaime Guimarães.
Como eu costumo dizer, "antes tarde do que muito tarde", então aqui vai a minha tradicional listinha de livros preferidos ao longo de 2013. A listinha não se propõe a realizar resenhas mais aprofundadas, e sim um breve comentário sobre as leituras no ano que passou. 


Mestre e a Margarida – Mikail Bulgakóv, editora Alfaguara.
O diabo e sua corte chegam a Moscou e essa turminha vai aprontar mil e uma maldades. Lembra a Sessão da Tarde, mas trata-se de um livro escrito durante as décadas de 20 e 30 na então União Soviética dominada por Stálin. Bulgakóv satiriza a classe intelectual, os artistas e a burocracia soviética em uma obra ágil, divertida e extremamente criativa – a história revista de Pôncio Pilatos (um “livro dentro do livro”) e cenas que remetem a “Fausto”, de Goethe (não à toa temos uma Margarida) são apenas alguns exemplos desta obra deliciosa em pouco mais de 400 páginas e da qual recomendo entusiasticamente. 



O homem do castelo alto – Phillip K. Dick, editora Verus.
Faça um seguinte exercício de ficção: imagine que o desfecho da Segunda Guerra Mundial tenha sido bem diferente, com a vitória da Alemanha nazista, do império japonês e da Itália fascista. É isso o que propõe Phillip K. Dick nesta obra instigante onde a realidade é contestada o tempo todo – na trama, um autor escreve um livro onde a história como conhecemos a partir da II Guerra é a ficção. Quem assistiu e gostou de filmes como “O vingador do Futuro”, “Minority Report” e “Blade Runner”, também vai gostar deste livro: os filmes citados foram inspirados em obras de Phillip K. Dick. 



V de Vingança – Allan Moore e David Lloyd, Editora Panini.
Foi uma releitura obrigatória durante o período das grandes manifestações no Brasil em Junho de 2013. As pessoas que saíam às ruas com máscaras de Guy Fawkles, a personagem principal de “V de Vingança”, relembraram essa História de Quadrinhos escrita por Allan Moore e desenhada por David Lloyd. A obra é uma distopia: a Inglaterra é governada por um regime fascista e autoritário, com a cassação de direitos individuais e manipulação da informação. Política, filosofia, arte, cultura, literatura, sociologia, anarquismo: “V de Vingança” traz tudo isso. O filme, lançado em 2006, é muito bom – mas a HQ é extraordinária!



História Universal da Infâmia – Jorge Luís Borges, editora Companhia das Letras.
Segundo as próprias palavras do escritor argentino, a compilação de contos deste livro que não chega a 100 páginas trata-se de “irresponsável brincadeira de um tímido que não se animou a escrever contos e que se distraiu falsificando e deturpando (sem justificativa estética uma vez ou outra) histórias alheias.” E como toda brincadeira, o resultado é diversão pura: uma coletânea de breves contos com biografias de trambiqueiros, piratas, assassinos e outros infames. E, claro, com toda a genialidade literária de Borges.   

Os filhos dos dias  - Eduardo Galeano, editora L&PM.
Neste livro do uruguaio Eduardo Galeano, autor de “Veias abertas da América Latina”, encontramos 365 histórias – uma para cada dia do ano, em formato de calendário. Quem já conhece o estilo de Galeano sabe o que vai encontrar: relatos jornalísticos, história, manifestos, poesia em textos agéis e objetivos, mas com o olhar sensível que caracteriza o escritor uruguaio. E tem assunto para todos os gostos: política, futebol, religião, economia, amor, humor, etc. Uma obra que reserva uma surpresa a cada dia do ano – ou melhor, a cada página virada. 

A trégua – Mario Benedetti, editora Alfaguara.
Martín Santomé está prestes a completar 50 anos e a poucos meses da aposentadoria. Viúvo e morando com os três filhos já adultos, leva uma vida rotineira no estilo casa-trabalho-casa. Até o dia em que conhece Laura Avellaneda, funcionária do escritório onde trabalha e muito mais jovem. E assim redescobre o amor. À primeira vista um romance como tantos outros por aí, mas o uruguaio Benedetti criou uma obra-prima: escrito em forma de diário, o livro traz reflexões sobre a passagem do tempo, inseguranças, relacionamentos e religião. Impossível terminar sua leitura e permanecer impassível: é um livro que mexe com os sentimentos. E o final é tocante.  

Sidarta – Hermann Hesse, editora BestBolso.
Este livro já mereceu uma postagem aqui no blog porque é uma obra que eu classifiquei como maravilhosa! Basicamente, o livro conta a história de um homem em busca da iluminação espiritual, da paz interior e serenidade. Em pouco mais de 100 páginas temos uma história muito bonita e simples da trajetória da personagem Sidarta. Leia mais sobre este livro no texto publicado em Abril de 2013 clicando AQUI

Como mudar o mundo – John-Paul Flintoff, editora Objetiva.
Um livro com este título pretensioso e encontrado na seção de autoajuda faria muita gente torcer o nariz imediatamente e descartá-lo. Uma pena, pois perderiam um livro bastante inspirador sobre ações aparentemente pequenas e realizadas por pessoas “comuns”, mas que podem mudar a vida de muitas pessoas – ou até mesmo o mundo, por que não? A obra faz parte do projeto “The school of life”, criado pelo filósofo e escritor suíço Alain de Botton em 2008 e promove cursos, workshops e encontros sobre vários temas – filosofia, psicologia, artes, literatura.

Pulp Head – John Jeremiah Sullivan, editora Companhia das Letras.
Uma bela surpresa no ano de 2013 foi este livro de John Jeremiah Sullivan, que até então era um ilustre desconhecido para mim. O ritmo de sua escrita e a variedade dos temas tratados – desde estrelas como Michael Jackson e Axl Rose, passando por reality shows, séries de TV, o furacão Katrina e cavernas nos cafundós dos Estados Unidos – torna a leitura de seus ensaios uma experiência muito agradável, como se estivéssemos lendo um conto ou novela. Mesmo que o leitor não tenha afinidade com os temas que Sullivan aborda, ele é “fisgado” pelo seu ótimo texto. 

Um 2014 com ótimas leituras para todos! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...