terça-feira, fevereiro 21, 2017

De volta ao passado


Uma das cenas mais surreais e fascinantes da história do cinema pode ser vista no filme Super-Homem, com Christopher Reeve no final dos anos 70: inconformado ao ver Lois Lane soterrada após um terremoto, o homem de aço voa ao redor da Terra em sentido anti-horário e simplesmente muda a rotação do planeta (!). Com isso, o tempo “voltou para trás” e assim ele conseguiu salvar sua amada.

Às vezes penso que estamos neste movimento “de volta ao passado” quando deparo com algumas teorias que caberiam bem à Idade Média ou tempos anteriores. É até engraçado ler as teorias conspiratórias sobre a chegada (ou não) do homem à Lua, mas quando leio em pleno ano de 2017 algumas teses (sic) sobre “a Terra é plana” defendidas e compartilhadas por muita gente (entenda que é muita gente MESMO: joguem no Google o termo “flat Earth” ou “Terra plana” e vejam a quantidade de resultados), a coisa perde a graça.

Perde a graça porque se há quem acredite em uma teoria refutada há séculos e com todo embasamento científico, o que impede que grupos e pessoas acreditem também em outras ideias ultrapassadas, absurdas e inverossímeis? Ainda hoje encontramos por aí quem utilize como "argumentação" conceitos oriundos do racismo científico que eram muito comuns no século XIX e parte do século XX.  E o que dizer do “movimento antivacina”? Outrora sustentado por adeptos de teorias conspiratórias envolvendo a indústria farmacêutica, hoje encontra apoio de muitos pais que recusam vacinar seus filhos por medo de efeitos colaterais nas crianças – experimentem uma pesquisa rápida no Google sobre “autismo e vacinação” e vejam os resultados. Vocês encontrarão de tudo, até uma celebração (!) chamada “Festa da catapora”. Impossível não lembrar da Revolta da Vacina ocorrida em 1904 no Rio de Janeiro.

E isso é só um pequenino exemplo do que encontramos por aí. O que preocupa é que tais ideias são compartilhadas e ostentadas com orgulho pela internet, sobretudo nas redes sociais.  Neste ponto Umberto Eco estava correto quando falou em “idiotas da aldeia” que ganharam voz, embora Aldous Huxley também chamasse a atenção lá nos longínquos anos 1930 para os esnobismos (crescentes) da ignorância. Não é algo novo, no entanto é mais rápido e tem maior alcance: algumas dessas teorias espalham com velocidade impressionante (tão rápidas quanto o Superman) e encontram adeptos dispostos a darem créditos a elas, mesmo com toda a informação científica e acadêmica disponível na palma da mão, literalmente. 

Fica a sensação de que se o Super-Homem fosse real talvez ele desprezasse a ordem de seu pai Jor-El (“é proibido interferir na História humana”) e faria voltas com maior tempo de duração ao redor do planeta, voltando uns 4 milhões de anos. A humanidade poderia recomeçar e assim fazer as coisas direito. 

4 comentários:

  1. O tempo evoluiu, a sociedade em boa parte também evoluiu em termos de tecnologia e ciência (entre outros aspectos) mas isso não significa que nós evoluímos na mesma proporção. É muito comum a gente lê textos antigos e pensar: "isso ainda se aplica atualmente", não é mesmo? O ser humano e seu apego às imperfeições. Belo texto! Beijos e um ótimo feriado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece mesmo inacreditável, não é, Aline? Certas mentalidades permanecem iguais independente que estejamos no século XXI ou de alguém no século XV. Muito grato! Bjs!

      Excluir
  2. Concordo com a Aline, parece que nossa espécie não é capaz de acompanhar a rapidez com que a ciência evolui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E nem é tão difícil, Mari, ao menos em tese...

      Excluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails