quarta-feira, março 16, 2011

O Japão e a minha professora da 5ª série

(clique na imagem para melhor visualização, isso se você tiver coragem e não tiver preconceito com tosqueirarte)

Confesso que não tenho uma memória que poderia ser chamada de prodigiosa e vivo cometendo gafes como esquecer do nome de algumas pessoas. Curiosamente, demonstrando que ainda há esperança, minha memória conserva fresquinha a lembrança dos meus professores do tempo de escola – sou capaz de lembrar-me do nome de boa maioria, chuto uns oitenta por cento.

E uma das professoras que não esqueço é a professora Clarice, de Geografia e História. Talvez pelo fato de adorar essas duas disciplinas e devorar livros e enciclopédias que traziam estes temas, fui um “dos queridinhos” da professora, ao ponto de ser escolhido, vejam só, “monitor da classe” – isso, para uma criança ou um pré-adolescente tímido e reservado, era quase o fim.

Passado um bom tempo, lembro das aulas de Geografia da 5ª série com a professora Clarice enquanto acompanho as notícias sobre o que vem acontecendo no Japão. Parece que ouço a voz da minha professora, lá na frente da sala, explicando sobre as placas tectônicas e dizendo uma coisa que jamais saiu da minha cabeça: o planeta está em constante movimentação geológica.

Acompanhando no twitter várias opiniões e links sobre o terremoto e o tsunami que devastaram o Japão, dois “atores” eram constantemente citados em uma possível explicação para a tragédia japonesa: uns diziam que a culpa era do homem alterando de forma negativa o meio ambiente e outros diziam que tudo o que estava acontecendo era castigo divino.

Por mais que o homem esteja, realmente, alterando o meio ambiente – e destruindo ecossistemas - ou que Deus esteja descontente com o que vem acontecendo no planeta que Ele criou – segundo os religiosos -, desta vez não se trata de Deus ou do homem: é a própria Terra que segue com seus movimentos geológicos naturais. Tremores de terra são comuns: cerca de 40 por dia. A intensidade e o local onde eles ocorrem é que determinam o impacto que causará na vida das pessoas.

Sei que pareço extremamente frio, insensível e alheio à dor e ao sofrimento que os japoneses e o mundo sentem por conta destes terríveis acontecimentos. E claro que uma explicação teórica e racional não alivia em nada o luto. Não se trata de insensibilidade: trata-se de constatar, na verdade, quão frágeis somos, os seres humanos, diante do curso normal do planeta e de seu ecossistema. E de forma arrogante teimamos em alterar tal curso e insistimos em lidar com forças que podem escapar ao controle, como a energia nuclear – alguns países europeus finalmente estão repensando sobre as usinas.

E mais uma vez me lembro da professora Clarice falando das placas e da teoria da deriva dos continentes e como eu observava e simplesmente viajava com a representação cartográfica do que poderia ter sido a Pangéia. Era um olhar fascinado, de uma criança procurando entender como chegamos até aqui.

Com os eventos ocorridos no Japão retomo o olhar de criança curiosa procurando respostas, procurando entender o porquê das coisas. E apesar de minha memória caber em um velho disquete de 1.44 Mb, lá está minha professora de Geografia ali na frente, expondo sua aula com o mapa e um globo terrestre, atiçando ainda mais minha curiosidade natural. Gostaria de um dia poder agradecê-la pessoalmente.

10 comentários:

  1. Galileu, lá pra atrás, mais ou menos 4 séculos, sofreu horrores por tentar explicar o que foi muito depois reconhecido(a duras penas). Eu copiei algumas de suas mais famosas afirmativas quando dizia que independente de nós, humanos, "o baile" da terra era contínuo, maravilhoso e impassível.

    "Quanto menos alguém entende, mais quer discordar."

    "A condição natural dos corpos não é o repouso, mas o movimento."

    "Não me sinto obrigado a acreditar que o mesmo Deus que nos dotou de sentidos, razão e intelecto, pretenda que não os utilizemos."

    "A verdade é filha do tempo, e não da autoridade."

    Muito bom o texto, Jaime! Meu abraço. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre adorei História, mas nunca gostei de geografia física, sabe? (só geopolítica). Mesmo assim, ainda lembro da aula de geografia em que se dizia a mesma coisa. Vivemos sobre um gigante quebra-cabeças que está sempre se ajustando. E o Japão vive bem no meio de várias bordas de peças, então sempre vai sofrer terremotos. Tanto que já aprenderam como minimizar muito seus danos. Mas um maremoto + um terremoto + várias usinas nucleares realmente não são uma boa equação... bjs

    ResponderExcluir
  3. Parabéns à "tia" Clarice e a você também Jaime.
    Queria ter esta facilidade de expressão.
    Verdadeira aula de jornalisma e geografia, claro!

    ResponderExcluir
  4. Adoradores de História e Geografia, uni-vos! Eu mandei um projeto de feira de ciências em 1990 sobre: Anatomia da Terra. E o nome Tectônica não saia de minha cabeça, ainda mais com a professora Esmeralda constantemente nos explicando aquilo (ela ficou emocionada quando lhe falei que o meu trabalho na feira de Ciências, seria mais de Geografia). Quanto ao Japão, foi o nosso país da Ásia para apresentar um trabalho, estava no Grupo de minha amiga Vivian Yano, na época pré-google, a casa dela era a melhor fonte. Grande designer que sou, pensei em por na bandeira do Japão os ideograma do hino japonês, Ki mi gayo. A mãe dela, Dona Kazuko, simplesmente me manda essa: "Não se escreve nada na bandeira do Japão." Eu aprendi, mas com o advento do futebol, os japoneses escrevem o que querem na bandeira deles e mostram ao mundo nas arquibancadas. Quanto ao seu artigo, excelent, elucidativo, num bom jogo de memória, e memória sua cabe num de 8 terabytes, falou?

    ResponderExcluir
  5. Mas isso é normal com o passar dos anos, nossa mente não consegue arquiva 100% todos os fatos que nos aconteceu.

    Porém, eu ainda me lembro da minha professora do pré... kkkkkk

    ResponderExcluir
  6. O que você diz é verdade, as pessoas ignoram que o planeta está em constante movimento!!
    E que um dia o universo todo irá encolher para o big bang acontecer novamente e etc e tal.

    Vc já viu no Nat Geo ou no History, não lembro, sobre o krakatoa?
    Foi bem interessante, mostraram como as pessoas se viraram pra escapar do tsunami e etc.

    Morro de medo de um tsunami, moro no litoral, e sempre foi moda falarem que o mar vai engolir aqui, sem contar com os inúmeros pesadelos que já tive com ondas gigantescas,rs!

    Tudo isso que está acontecendo é muito triste mesmo, mas sempre ocorrerá algo assim.

    Beijão!!

    ResponderExcluir
  7. O Japão é o lugar mais improvável de se viver. Fica entre QUATRO placas tectônicas... Lá tem terremoto o tempo todo! E as pessoas continuam lá... E assim caminha a humanidade.

    Infelizmente o desastre natural serviu-nos de alerta para uma coisa ANTI-NATURAL que o homem insiste (ou insistia, até então?)que é a Energia Nuclear.

    Ah, saudades das minha aulas da 5ª série... Tempo "bão" demais, sô...

    Beijinhos Jaime!

    ResponderExcluir
  8. Então, outro dia ouvi alguém dando uma entrevista lá no Japão, dizendo que lá tem terremoto TODOS OS DIAS, é uma coisa "normal" pra eles. Doido isso, né? Mas são mesmo as placas tectônicas se movimentando. Pena que tenha morrido tanta gente por lá, a situação, pelo que acompanho na TV e rádio, é horrível. E agora este risco de radiação... Aff! "Energia limpa"... sei!
    bj
    Ana Letícia.
    www.mineirasuai.wordpress.com
    www.castelodopoeta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. O fato de a Terra estar em constante movimento é sempre esquecido pelo simples fato de que não dá audiência e que a tragédia ganha contornos mais... "emocionantes" digamos assim, se procurarmos culpados, seja o Homem ou seja Deus.

    Engraçado é que quando isso acontece aqui no Brasil, a culpa é da natureza, quando na verdade, não é bem isso. É mais interessante fazer o levantamento dos prejuízos, das perdas humanas do que de questionar a falta de infraestrutura de muitas cidades, da falta de educação de quem deposita o lixo em local inapropriado e de onde estava o governo quando emitiu o onipresente talão do IPTU para quem está vivendo perigosamente em áreas de preservação e contantes riscos de deslizamento. Por que o governo não providencia uma moradia digna e segura para quem ganha 1 ou 2 salários mínimos?

    Foco: cadê?

    ResponderExcluir
  10. Sinto saudades das minhas aulas de Geografia .. aprendi tudo graças a um professor doidão q sabia dar a aula muito bem !
    Guia Comercial de Hortolandia

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails