segunda-feira, novembro 15, 2010

Vampiro: você conhece - ou vai conhecer - algum!


Nada de charge desta vez: apenas uma tosca ilustração vampiresca do autor deste sanguinário brog!

E não é que os vampiros estão novamente na moda? Eles estão por toda a parte: em livros, filmes, internet e até na política, pois recentemente o candidato à presidência da República pela oposição era bem parecido a um vampiro – dizem as boas e más línguas que é uma das piores espécies: o "Privatizus Mentirus Rotundus", mas essa é outra história.

O que falar destes estranhos seres que dormem em um caixão durante o dia e saem à noite por aí para atacar as pobres vítimas desavisadas que sempre ficam sozinhas em algum lugar do qual não encontrarão a saída e com a trilha sonora de suspense ao fundo? Absolutamente tudo já foi dito sobre estes bichos que inspiraram o Batman a sair por aí espancando os criminosos: alimentam-se de sangue ( igualzinho aos nossos políticos, empresários e membros "daselites"), não suportam alho, crucifixos e nem a luz solar. Como eles fazem para escovar os dentes e secar a roupa no varal eu não sei, mas são detalhes que qualquer fã de Crepúsculo ou Lua Nova, Cheia, Minguante poderá responder – espero, pois isso é absolutamente relevante para quem se interessa pelo tema.

Mas a lenda do Conde Drácula ou o vampiro de Bram Stroker é fichinha perto dos vampiros que nos cercam todos os dias. Os vampiros mitológicos sugam o sangue de suas vítimas para alimentarem-se; os vampiros da modernidade preferem sugar a auto-estima, o (bom) humor, a energia das pessoas.

Provavelmente você conhece algum em seu ambiente de trabalho, no seu bairro, em seu círculo social. Pode incluir em sua lista aquela vizinha fofoqueira que adora um "barraco". Tais vampiros estão sempre à espreita, torcendo e, se possível, até forçando pelo fracasso e pelos erros de suas vítimas potenciais. Muitos destes vampiros até encarnam alguma elegância digna de um Bella Lugosi para atrair aqueles que acreditam em suas palavras e atitudes aparentemente gentis.

E aí não tem alho, crucifixo ou estaca no peito que dê resultado. De repente a produção da pessoa no trabalho despenca, a auto-estima vai parar na Transilvânia e acontece o pior: ela se torna um vampiro também, imitando as mesmas atitudes “vampirescas” e tentando sugar a energia dos demais. Isso te pareceu familiar em algum momento? A chamava “mordida de vampiro” hoje pode resultar em assédio moral, síndrome de burnout, competitividade, depressão, estresse, avaliações de desempenho e produtividade, síndrome do Pânico, ansiedade, insônia, burocracia, indiferença e desprezo.

E o que fazer para se livrar destes seres absolutamente desagradáveis? Como provavelmente você não vai sair de casa com uma estaca de madeira e nem com um monte de alho nos bolsos, talvez a melhor coisa seja contratar o Van Helsing como segurança. Mas o velho caçador de vampiros deve cobrar muito caro e você só tem umas ações do banco Panamericano que não valem nem uma tele-sena. E agora?

É simples: vampiros não suportam luz. Sem ser piegas, apenas verdadeiro: cada indivíduo, até mesmo aquele que sofre as consequências das “mordidas”, possui uma luz própria, um brilho do qual o destaca em alguma atividade. Não importa se em menor ou maior intensidade ao vizinho chato ou colega de trabalho mala; o importante é recuperar este brilho, mantê-lo e saber que, para ser apagado, é preciso muito mais do que um Nosferatu invejoso que usa aparelho colorido e se faz valer de sua posição social ou cargo dentro da empresa para exercer uma patética “otoridade”. Ninguém, a não ser você mesmo, pode apagar este brilho!

Agora, se nada disso der certo, use o crucifixo para “tacar” na cabeça do vampiro chato...

Shine on you crazy twitter: www.twitter.com/jaimeguimaraess

10 comentários:

  1. Olha, valeu pela dica. Na semana passada eu tive contato com um vampiro. Me reuni com um grupo de professores e passei mal o resto do dia.Não sei qual deles é o vampiro, mas você lembrou bem o que tenho que fazer na próxima vez que me encontrar com o grupo!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  2. Conheci um monte de vampiros num lugar onde eu trabalhava. Aqui em casa tem alguns também. ¬¬

    ResponderExcluir
  3. De manhã meu aspecto é um e saio a tarde amplamente sugada por meus vampirinhos, transformada num restinho de mim. Deixo-me vampirizar e vampirizo um pouquinho também, confesso. Vc é show de bola meu amigo Groo, luz pra quem quiser ver, iluminado!!!

    ResponderExcluir
  4. Ai, como eu queria um martelo e uma estaca! Ainda bem q vc está aí pra jogar um pouco de luz nas sombras desses dias.
    Se bem me lembros dos Garotos Perdidos, a solução seria matar o vampiro mór, que muitas vezes me parece ter sido um formado por conjunto de sentimentos egocêntricos e mágoas calejadas.
    Como não tenho um caçador de monstros nem meus vampiros se parecem com o Pointe du Lac, o que me dói é q vampiros não adentram o recinto antes do nosso consentimento...

    bjohnny!

    ResponderExcluir
  5. eu me imunizei no ginásio. hoje falam de buling, mas isso faz parte da seleção natural.

    ResponderExcluir
  6. Esse tipinho tem em tudo que é lugar!!! Eu já sofri muito com esses tipinhos.
    Tem vampiro de tudo que é jeito, de energia, de alegria, de cerveja...Sim, cerveja! Aquele que só senta do seu lado quando está bebendo um cervejinha... Aff!!! Mas na minha opinião o pior tipo mesmo é o vampiro que não consegue ver ninguém feliz... Esse tem que atacar mesmo!!! Sai pra lá!!!

    Beijinhos Jaime!!!

    ResponderExcluir
  7. Alguns vampiros - e vampiras, evidente - são sexies, sedutores e charmosos. Agora, outros... putaquipariu! É o que a Fabi falou: da sua energia até sua cerveja, o negócio deles é trepar no seu pescoço. Reza braba, dente alho, crucifixo... tudo é válido! Agora outros... só na base da porrada! Vontade fodida de meter o pau em um monte de vampiro que eu conheço e que...

    Bom, melhor não comentar... Uahaaaha!!!!

    ResponderExcluir
  8. É, tem muita gente que faz isso com os outros, às vezes até sem perceber que está fazendo...
    Mas nós é que decidimos quanto espaço daremos para os comentários negativos, para a inveja, para aquilo que nos impede de crescer.
    Por isso é importante cultivar e manter a nossa paz de espírito, para não perder de vista a verdadeira dimensão das coisas... e não assumir para nós os sentimentos negativos que pertencem a outras pessoas. É mais ou menos assim: se ela tá de mau humor, o azar é dela... eu é que não vou pegar para mim!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Esses vampiros são tremendos. Sempre temos um por perto. E até dentro da própria casa.
    Os vampiros, são vampiros por estarem dentro da escuridão fundamental de suas vidas.

    Os maiores vampiros que existem são os corporativos, chefes FDP e os politicos que não convencem.

    Belo post. Adorei.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Dos vampiros do trabalho só o tempo irá me livrar. Os da vida pessoal, boto pra correr de imediato. Tenho muito pra fazer e não gosto de perder tempo contornando problemas que esse tipo traz.

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails