quarta-feira, janeiro 20, 2010

Um bate-papo do outro mundo!


NOTA: Para comodidade de nossos (raros) leitores, o diálogo extra-terreno já está traduzido do Plutoniano para a língua Portuguesa, com alguns termos adaptados ao nosso idioma.

- Como vão as coisas no sistema Zol-Arh, vigilante?
- Tudo normal, senhor. A estrela e os demais planetas do sistema não apresentam alterações, com exceção do planetinha azul Teh-Rah, senhor.
- Ah, o planeta Teh-Rah já é um velho problemático, vigilante. É um planeta muito instável por causa de seus habitantes. Bem, continue com o seu trabalho.
- Senhor, com o devido respeito...na academia aprendemos que os habitantes do planeta Teh-Rar são muito perigosos. Mas não consigo compreender o porquê, senhor. Eles produzem até umas coisas agradáveis, como uns sons que eles chamam de “Muzi-K” e confesso, senhor, até gosto de ouvir alguns sons como o Pagoh-Dhi e o Fan-Ky.
- Vigilante, como você é jovem e novo em sua função, vou te explicar. De fato, os chamados terráqueos são criaturas perigosas. Tem um potencial incrível tanto para a criação como para a destruição. Eles não são como nós, Plutonianos, que desenvolvemos uma alta sensibilidade e entendemos e respeitamos o equilíbrio do planeta e do universo.
- Como assim, senhor?
- Você gostou dos sons produzidos pelos terráqueos, não? Eles tem a capacidade de criar coisas belíssimas como as chamadas Muzi-Kas, mas recomendo que sintonize outra estação de rádio-satélite, meu caro vigilante, pois eles possuem vários estilos de sons muito mais bonitos e inteligentes do que o Pagoh-Dhi e o Fan-Ky. Além da Muzi-Ka, eles possuem alguns dons que poucas criaturas no Universo podem se orgulhar: a chamada Ar-Teh. Se bem me lembro apenas os Titânicos, Zeuzianos e Aasgaordianos possuem essa capacidade de criar belas obras de Ar-Teh. Os terráqueos não sabem, mas cada vez que produzem obras belas, sensíveis e simbólicas acabam se aproximando dos deuses-criadores do universo! Além disso, os terráqueos desenvolveram um sentimento que são poucas as criaturas que surgiram há apenas 150 mil ziclos* conseguiram desenvolver: o Ah-Mor! E o Ah-Mor muitas vezes é o combustível para as belíssimas obras de Ar-Teh que eles produzem!
- Senhor, como criaturas assim podem representar algum perigo, então? E ainda mais tão distantes de nós, eles nem sabem que existimos...
- Lembre-se do que eu falei, vigilante: estes seres possuem potencial tanto para a criação como para a destruição. E eles desenvolveram a coisa mais mortífera já vista pelo universo: a Gueh-Rah!
- O que é Gueh-Rah?
- É um tanto complicado de explicar, vigilante, mas funciona assim: os terráqueos constituem-se em apenas uma raça, chamada Hu-Mana. Mas há variantes: alguns mais claros, outros mais escuros, alguns são chamados “Rih-Kos” e outros “Poh-Brez”. “Rih-Kos” são aqueles que tem valores materiais e, acredite, donos de pedaços do planeta!
- Sério? Como isso é possível?
- Pois é, esses terráqueos são estranhos. Pois bem, os “Rih-Kos” exploram os “Po-Brez”, que já tem muito pouco e às vezes os “Rih-Kos” querem tomar até esse pouco. Então fazem à força. E para isso usam a Gueh-Rah: criam armas poderosas para envenenar os recursos naturais, invadir, dominar e, principalmente, destruir os seus semelhantes!
- Eles destroem seres da mesma raça? Que absurdo! Nunca ouvi falar de uma civilização que faça isso no universo!
- Além disso eles destroem também os frágeis sistemas naturais do planeta, o que vem causando inúmeras tragédias ambientais, matando milhares de terráqueos todos os dias. E destroem porque os “Rih-Kos” querem mais e mais valores materiais e os “Poh-Brez” querem sobreviver. E com isso muitos terráqueos passam fome, sede e necessidades. Acredite, vigilante, é um planeta difícil, são seres perigosos, apesar de ainda haver terráqueos generosos e conscientes por lá.
- Que absurdo! Nós, como seres superiores, deveríamos alertá-los, senhor!
- E tentamos, vigilante. Há dois mil ziclos enviamos um de nossos sábios e ele tentou transmitir mensagens de amor ao semelhante e desapego aos valores materiais.
- E o que aconteceu?
- Ah, os terráqueos primeiro tentaram matar nosso sábio e ele voltou para nosso planeta. Alguns que o seguiam deram inicio a um culto. Hoje, o nosso sábio ainda é lembrado, mas é explorado por alguns terráqueos inescrupulosos que se transformam em “Mili-Oh-Nah-Rioz” ( algo muito parecido com os “Rih-Kos”) e sua mensagem, abandonada. Poucos ainda a seguem, na verdade.
- Mas será que se ele voltasse...
- Esqueça, ele já disse que não bota mais os pés lá no planeta Teh-Rah! Agora, vigilante, volte ao seu trabalho.
- Só mais uma coisa, senhor: eu já compreendi que os terráqueos são perigosos, mas será que um dia eles chegarão aqui, em nosso planeta, e destruirão toda a nossa civilização?
- É difícil, vigilante. Eles estão evoluindo: já fizeram pequenas viagens para o pequeno satélite conhecido como Lu-Ah. E enviam pequeninas naves não tripuladas pelo universo para descobrir outros planetas com condições para o desenvolvimento da vida, além de seres inteligentes como nós. Uma dessas naves chegou próximo ao nosso sistema e eu mesmo a desviei, impedindo que nos descobrissem.
- Perdão, senhor, mas para onde desviou essa pequena nave?
- Para o planeta Ha-Des vigilante!
- Mas o planeta Ha-Des é terrível, senhor. É habitado por seres mesquinhos, invejosos e que gostam de brigar com todo mundo! Além disso faz um calor daqueles...!
- Então, vigilante, é bem adequado aos terráqueos, não? Agora não tire os olhos dessa tela e principalmente deste planetinha azul. Vou tirar um cochilo. E pare de ouvir esses sons como Pagoh-Dhi e o Fan-Ky. Podem afetar suas ondas cerebrais. Até mais, vigilante.

*ziclos = anos

Sigam-me no twitter, terráqueos de bom (e mau) gosto: www.twitter.com/jaimeguimaraess

10 comentários:

  1. oi.
    Somos tão egoístas!
    Eu ri muito com as palavras adaptadas.
    Temos a "capacidade de criar coisas belíssimas",mas podemos destruir o o planeta Teh-Rah aos poucos. Isso realmente é triste, vergonhoso, horrivel.
    Eu boto a mão na conciencia e reflito com esse seu texto, centenas de pessoas vão ler e fazer a mesma coisa. Vamos até fazer uma parte, mas uma pequena parte.
    Porém quem realmente precisa refletir não terá a oportunidade de ler esse texto lindo.
    Boa semana :D

    ResponderExcluir
  2. OI!
    uahuahuahuaa legau seu blog, passa no meu!

    Rsss.

    Muito bom esse texto meu querido, trata de verdades tão verdadeiras q dá medo! Somos mesmo pergiosos!?
    (eu n sou =P)
    Bjao

    ResponderExcluir
  3. A maioria 'daqui mesmo' há muito tempo que não tem sequer a oportunidade de desenvolver o senso crítico.
    Por exemplo: Quando estive em Rondônia (recentemente) pela segunda vez, uma das histórias contadas por educadores de lá é que os próprios professores, diretores de escolas, e pais, ouvem a pior música possível.
    Isso permite (e resulta em) cenas espantosas, como na da escola que tinha mostrado, na sua festinha de fim-de-ano, crianças de 6 a 8 anos dançando e cantando um desses funk's mais barra-pesada que (infelizmente) existem.
    Longe de mim (e dos professores que me contaram a história) o puritanismo; ÓÓÓÓbvio que a questão é outra...
    Papo loooooongo, cujo desenvolvimento não cabe aqui.
    BJS!

    ResponderExcluir
  4. Ah ah ah Ah!!! Jaime, foi muito bom o texto. Mais um texto "caricato" (eu lembro disso). Adorei a perspicácia, principalmente as tiradas inteligentes com as palavras adaptadas. Bem, somos mesquinhos, acho que Ha-des na verdade é a Teh-Ra. Os seres humanos são seres muito esquisitos, o que é fácil, eles transformam em algo complexo. Não deveria existir diferenças para seres que nascem do mesmo jeito. É algo estúpido se formos pensar. Partidos políticos, sistemas economicos, classes sociais, escolaridade... São coisas tão estranhas. Sei que a maioria das coisas são necessárias para se viver em sociedade. Sem ordem não dá. O problema são as formas como os seres humanos vêem a natureza e a realidade. Eles simplesmente... Eles? Nós... rs simplesmente vemos tudo da nossa forma e não queremos acreditar que estamos errado, afinal, é inadmissível o erro. Somos seres imperfeitos desde que nascemos, temos um legado de absurdos gloriosos que deveriam ser apenas lembrados para não repetir o erro ao invés de amá-los e reverenciá-los. Somos apenas seres em evolução, constante, mas o problema que o ser humano é igual ao Brasil. Somos seres sempre do futuro, mas o futuro pra mim é bem diferente do que as pessoas imaginam. Logo logo postarei sobre isso no novo RBO rsrs Mini propaganda and marketing business. Aprendi com o pessoal de Ha-Des rsrs

    Abração e parabéns pelo post está maravilhoso! Crítica certeira e bem vinda.

    ResponderExcluir
  5. Oi Jaime!
    Que forma interessante de mostrar a situação do nosso - inconstante - Planeta Terra.
    Podia desviar a nave para um lugar melhor agora né? Se bem que eu acho que os Terráqueos nem merecem.

    E concordo que o nosso poder de criação é tão grande como o de destruição. Só não podemos esquecer na hora de destruir, que somos HUMANOS.

    ResponderExcluir
  6. Sem dúvida, esse foi um dos melhores textos que você escreveu que eu já li. Gostei da sátira que como a raça humana age e da análise das coisas boas e ruins que ela produz.

    Seu texto me relembrou um tweet de uma amiga que publicou algumas conclusões sobre a raça humana depois de ter assistido ao clássico Avatar:
    "Estamos acabando com o planeta, e se deixarem, vamos acabar com os outros também, afinal a espécie humana destrói tudo."

    ResponderExcluir
  7. Eu me seguerei até final para não atrapalhar a leitura. Mas agora: hahahahaha!!!! Rapaz, você , cada dia mais genial. Meu abraço muito fraterno. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Engraçado que eu fiquei lendo o texto como se fosse um robô... kkk no mesmo ritmo. Ter-ha, Musik... Adorei Jaime, ótima crítica a esses seres inteligentes e ao mesmo tempo perigosos e destruidores. Chorei de rir tbm quando o salvador veio duas vezes e disse que não botava mais os pés aqui, afinal nós temos solução?

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails