domingo, março 22, 2009

Professores, escola e tempos modernos

Na semana passada uma professora da rede estadual em SP foi agredida por um “aluno” de 13 anos primeiro com xingamentos e depois com chutes e até mordidas. Tudo porque a professora chamou a atenção do aluno que bagunçava na sala de aula. Como de praxe, o adolescente não sofreu nenhuma punição, ao menos até agora.

Quem está fora do cotidiano escolar surpreende-se com notícias neste teor, mas quem vive no meio educacional sabe muito bem que agressões verbais e ameaças de violência física (e sua consumação) por parte de certos alunos a professores acontecem todos os dias. E geralmente o agressor não sofre nenhuma punição ou, quando é punido, é algo muito brando.

Em seu pequeno, mas interessante livro paradidático “Sociedade Tecnológica”, Ciro Marcondes Filho dá uma boa pista do que vem acontecendo não apenas nas escolas, mas na sociedade em geral: “Isso não ocorre só com a autoridade paterna, que na verdade já perdeu seu espaço há décadas ou com a autoridade política, policial. Também as autoridades morais, filosóficas, intelectuais, que antes ditavam normas, orientavam caminhos, propunham soluções, perderam crédito. O homem de final de século é mais descrente, cínico, irônico em relação a qualquer tipo de autoridade...”.

O autor fala sobre a perda de autoridade nesta chamada sociedade tecnológica ou contemporânea ou pós-moderna ou do conhecimento ou... vejam que não há sequer uma definição para este período, que na verdade é uma transição entre os “velhos conceitos” ( de nossos pais e avós) e os “novos conceitos” ( geração moldada com base no entretenimento televisivo e informático, com novos padrões de comportamento e de consumo).

Muitos pais esperam que os professores dêem “jeito” em seus filhos; professores esperam que os pais façam sua parte na educação da garotada. Neste jogo de empurra, o estado é omisso e a rede particular esconde absurdos que acontecem no interior de seus grandes e protegidos muros. Engana-se quem acha que problemas com drogas e agressões verbais a professores é exclusividade da rede pública. Na rede particular o “marketing negativo” que poderia ocasionar a perda de “clientes” é rapidamente abafado.

Basta observar que muitos filhos de classe média envolvem-se constantemente em crimes e atos de vandalismo e, não raro, os próprios pais intercedem em favor dos filhos com subornos a delegados e policiais para que não seja feita a ocorrência. Em casa, apenas um sermão (que é recebido com desdém pelo jovem) e fica tudo por isso mesmo.

E na sala de aula todo esse "mix" de perda de autoridade e desdém atinge seu ápice. Professores já desmotivados por salários que se assemelham mais a ajuda de custo, péssimas condições de trabalho (não é fácil lidar com salas com 40 alunos amontoados em um espaço onde mal cabem 30) e fragilizados emocionalmente e até fisicamente com cargas horárias absurdas são os alvos preferidos de frustrações, falta de limites, carência e recalques de muitos adolescentes. Mesmo diante deste quadro, os docentes são os únicos responsabilizados pelos péssimos índices de educação no país e pela violência cada vez mais crescente dentro da escola - escola que, segundo estudiosos da educação, precisa "rever sua função". Correto. Mas antes de tudo a escola precisa recuperar sua função, que é promover o acesso ao conhecimento, à socialização, atuar como parceira na educação e desenvolvimento das crianças e jovens, sem desprezar as novas tecnologias de informação e comunicação.

Mas “especialistas” da educação como colunistas da VEJA e FOLHA acham que é só “copiar o modelo da Finlândia” que resolve tudo. Também acho. Na Finlândia governador canalha não vota contra um piso milionário de R$ 950 para professores, por exemplo. E também acho muito difícil um professor em Helsinque receber um pedido como este de uma mãe na escola: “se o senhor puder colocar algum juízo nesse menino, eu agradeço, porque eu mesma já desisti, larguei de mão”.

Na verdade é um pedido de socorro. O professor e a escola constituem-se na última esperança de muitos pais em verem os filhos trilharem um caminho melhor. O problema é que professores e escolas também pedem socorro para trilharem caminhos melhores e serem de fato agentes de transformação, com toda a estrutura necessária para desempenharem um bom trabalho. E isso não é pedir muito.

29 comentários:

  1. A Sociedade brasileira sofre o sintoma, tardio ou não, da criação dada aos sinhozinhos no tempo colonial e imperial, com suas devidas versoes para esta atualidade que os cientistas sociais insistem em nomear. Nomear,classificar, enciclopedizar, como vc nos alerta, está difícil e é, de certa forma, de importância secundaria. O jogo de empurra do ESTADO, a falta de referência familiar e o processo de exclusão social acentua em todas as crianças e jovens a "ignorância simbólica da Lei", que só é aproveitada de acordo coma conveniencia das vontades individualistas e subjetivas. Ninguém tomando a verdadeira autoridade "para si", o caos se propõe a se organizar somente com a repressão (o exagero) e a vendetta. Um caminho errado e muito perigoso, que mereceria muito mais atenção, atenção mais primordial de todas para buscarmos fumaças de alguma solução. Entretanto, querem imitar, como sempre, países de histórias e sociedades formadas e organizadas de maneira mais difusa que a nossa. Finlândia.. putz, me lembro dessa matéria...
    PS: Nova Crônica no CAnis

    ResponderExcluir
  2. Na Finlândia se investe primeiro no professor, tanto em salários quanto em formação. E lá não se amontoa 50 alunos numa sala!
    Concordo com tudo o que você escreveu.
    Ontem também fiz um post sobre o assunto e falando sobre a polêmica gerada pela novela Caminho das Índias. Dê uma olhada e veja os comentários de pais de alunos no blog da autora da novela!
    http://sarapateldecoruja.blogspot.com/2009/03/ficcao-nao-realidade.html
    Abs.

    ResponderExcluir
  3. o problema é que os pais, jogam toda e qualquer responsabilidade dos atos de seus filhos nos professores, a familia ruiu.



    http://messnatural.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Isso é todo um conjunto que vai da educação que os pais dão em casa (ou melhor, NÃO DÃO) até do meio onde ele vive. Uma criança que cresce no meio de uma favela dificilmente não vai ser influenciada pelo meio onde vive, onde o medo da morte é constatante assim como é persuadido a se envolver na vida do crime. É claro que tem como uma pessoa se tornar uma pessoa direita na favela, mas é difícil.

    Acho que esses alunos-merdinha deveriam ser expulsos e ir estudar numa escola para crianças problemáticas, pois isso afeta negativamente a vida das crianças boas que querem estudar em um ambiente saudável.

    ResponderExcluir
  5. sou professor de geo e não tenho posto em prática minha faculdade, pois tenho tido muito medo de ser baleado em sala de aula.

    muito bom o blog.

    ResponderExcluir
  6. Bem, eu como jornalista e professora da Rede pública municipal sei bem sobre esse assunto. Infelizmente a educação brasileira está passando por um de seus piores momentos e isso se deve ao descaso da sociedade em relação a esta Instituição...
    Adorei teu blog! Vou adicioná-lo aos meus favoritos.
    Volte o Moderna Lapa RetRô sempre, viu?!
    Bjokas, Beta.

    ResponderExcluir
  7. É nem tem mto o q falar...Se um professor erguer a mão para um aluno ele é preso mais se alunos espacam professores ai num acontece nada..É vivemos num pais de injustiças msmo...Apesar q num é certo ninguem bater em ninguem..mais vamos respietar os profes estão la pra ensinar e ñ educcar filho de niguem...

    ResponderExcluir
  8. É daqui para pior... A sociedade se bestializando cada vez mais.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. cara issop é realmente uma vergonha.. sou a favor da punição física em crianças, desce o bambu na mulecada!

    ResponderExcluir
  10. Eu acho que exigir da escola uma forte força na educação social de um cidadão é um equívoco provocado nos dias de hoje. É claro que a escola tem um forte papel na formação do ser humano, mas educar coisas primarias, impor limites e respeito é tarefa dos pais exercerem.

    O problema é que na sociedade capitalista que vivemos, os pais saem para trabalhar e as mães também.
    Não são raros os casos em que os filhos ficam a mercê de uma educação comandada pela televisão e, mais recentemente, internet.

    Esta é a realidade de uma esmagadora maioria nacional, quando ainda as famílias são constituídas por pais e mães. Quando não são formadas por tios, tias, avós ou instituições de doação que 'adotam' estas crianças frutos de irresponsabilidade de uma sociedade que venera o sexo sem controle e sem limites.

    Encontrar um culpado para esta história toda não é algo simples de ser feito.
    A verdade é que todos nós somos culpados, de uma forma ou de outra contribuímos para este ciclo vicioso de falta de educação, violência e pobreza (material e intelectual).

    ---
    Participe da Semana Consciência Proud.
    Uma semana de textos para refletirmos, pensarmos e rever nossos conceitos e atitudes.
    http://proudbrasil.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Querido amigo avassalador...
    A tendencia é piorar cada vez mais... já não há procura por diversas graduações em licenciatura....Há falta de professores de ensino fundamental e medio... A unica razão qua ainda faz os concursos publicos para professor lotarem de candidatos é o desemprego geral....
    Professor na escala de profissão estressante esta entre as 5 primeiras....
    Enfim, será que vale o sacrificio de ser professor no seculo XXI?

    ResponderExcluir
  12. Quando eu entrei pra facul, há alguns anos atrás, ocorria um verdadeiro BOOMMMM nos cursos de Licenciatura. O pessoal enxergava no Magistério uma carreira segura. Estudar, todo mundo estuda e pra isso (pelo menos, por enquanto) necessita-se de um professor. Hoje, passados 14 anos, já não sei como está a procura...

    Sinceramente? Eu amo o que faço. Mas tudo isso me desmotiva. Já vi e vivi algumas situações que... Deus me livre! O problema é que as pessoas confundem: pensam que a escola é lugar de "ensinar", no sentido mais geral da palavra. E isso não parte só dos pais, não, que muitas vezes jogam os filhos na escola, como se fosse depósito, esperando que nós façamos muitas vezes, o papel que lhes é devido... Eu mesmo já tive com muito aluno, conversa que pai devia ter com filho em casa, sobre o mundo, conduta, futuro...

    Dia desses, viajando num ônibus, um grupo de adolescentes uniformizados entrou tacando terror. E o senhor motorista, muito P da vida, levantou do seu lugar, berrando: "- Seus mal educados... A escola não lhes ensinou educação, não?" Eu, que não costumo me meter aonde não sou chamado, me doí e falei que isso não era bem papel da escola.

    Enfim: é um círculo vicioso. Pais ausentes (que se fazem presentes justamente na hora de baixar o barraco), alunos muitas vezes violentos e professores desmotivados... Um retrato nada bonito. Essa é a educação do nosso país.

    Mas falando sério: é difícil ter gás pra mudar alguma coisa, quando se ganha 500 reais (piso de um professor em início de carreira, aqui no Rio). Eu, depois de onze anos, às vezes, vivo me perguntando se fiz lá a escolha certa...

    ResponderExcluir
  13. O desemprego é o que leva uma quantidade de pessoas a fazerem as provas p/ concurso , ser professor hj é uma tarefa difícil. Os pais não aceitam que seus filhos devem ser educados em casa e daí haver uma complementação na escola.Fica a cargo de professores a educação dos mesmos, impossível, a maior parte de seu dia eles passam em casa e não na escola.
    Beijinhos de Rozangela Melo
    Visite nosso blog:
    http://cgfilmpictures.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Adorei seu texto, a educação no Brasil está passando por uma grande crise, os pais deixam para a escola a educação que deveriam dar em casa, a escola por sua vez não tem condições de suprir esta lacuna.
    Para mudar a educação será necessário uma reeducação dos pais para que estes assumam o seu real papel.
    Pertenço a um grupo de estudos sobre educação, este grupo tem contato com outros grupos do mundo todo, em nossos estudos chegamos a conclusão que esta crise na educação é mundial.

    ResponderExcluir
  15. A base familiar é extremamente importante na formação de nosso jovens, porém, como citado a escola hoje anda ajudando de forma negativa nessa formação. Mas isso finda na falta de suporte efetivo por parte dos governantes que precisam urgentemente modificar esse modelo de educação.

    http://sentimentomediano.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Realmente os maiores culpados de toda essa violência, em minha opinião são os pais. Pq? Pq eles convivem com os filhos e tem a obrigação de ensina-los pelo menos a respeitar os professores. Mas nem isso. Se faz o quer, bate em quem discorda de suas atitudes e por aí vai. É por isso q o ensino publico anda tão defasado. Quem quer lhe dar com esse tipo de situação?
    Hj não há mais dialogo, as crianças creescem jogando video games violentos e asssitisndo porcaria...Essa é a principal educação delas. Tem-se q tomar cuidado p que nem tudo permanecça dessa forma, mas q haja uma mudança rapida na vida dessas futuras gerações.

    ResponderExcluir
  17. As pessoas que são responsáveis por ajudar a formar cidadãos estão tendo péssimas condições de trabalho.

    Uma vergonha para o nosso País.

    ResponderExcluir
  18. É foda!
    Isso pra mim é falta de chinelada e principalmente educação em casa.
    Por pior que seja a índole, se vc tratar com pulso firme,a não ser q a pessoa tenha problemas psicológicos sérios,isso não iria acontecer.

    beijãooo!!!

    ResponderExcluir
  19. Por exemplo, eu acho um tremendo ABSURDO filhos que xingem os próprios pais de palavrões.
    O cúmulo da falta de pulso.

    ResponderExcluir
  20. corrigindo,filhos que xingam os pais.

    ResponderExcluir
  21. Groo, amigo, trabalho com pré-vest há 29 anos. Comecei cedo, aos 18, da idade da maioria dos meus alunos, na época. Anos 80, e as coisas, por incrível que possa parecer, eram bem diferentes. Problemas com autoridade são, a meu ver, até necessários, mas sempre - claro - com limites. A insubordinação gera criação, quando é feita de forma responsável.
    Sim, vc tem razão em seu texto. Hoje dou poucas aulas, felizmente. Mantenho um padrão merecido, e tenho uma escola na qual a grande maioria dos pais ainda compreende que a família é a base da educação. Há uma parcela, entretanto, que tenta responsabilizar professores pela péssima orientação que esses alunos trazem de casa. É cômodo e injusto, mas é o que rola.

    A escola, que deveria - sempre - ser um veículo de inteligência, torna-se, aos poucos, e de forma perversa, apenas um local em que o aluno passa o tempo e onde o pai deposita suas crias na certeza de que eles serão "corrigidos".
    É lamentável, e vamos em frente.

    ResponderExcluir
  22. Muito bom o seu blog, colega, muito coerente, bem escrito. Visitei o blog da Glória Perez; coitada: cada comentário que postam lá (ao mesmo estilo de outra "personagem"); incrível como as pessoas tomam uma coisa como fanatismo, acobertadas pelo anonimato, julgando tudo e todos a bel prazer - e sem provas, é claro. Vai entender, este mundo está perdido mesmo...

    Parabéns pelo blog, é sempre uma boa surpresa poder ler os seus posts.

    ps.: estou em anônimo pois já fui vítima de ataques dessas "pessoas".

    ResponderExcluir
  23. Conheci a situação de perto, do ponto de vista da escola particular, daquelas onde estudam filhos de banqueiros, de donos de supermercados, de banqueiros de jogo do bicho...

    Estive como psicóloga numa assim, por 6 anos e pouco; nem sei como durei tanto tempo!

    Fui mandada embora, como muitos outros (professores, pedagogos), porque cobrava a crítica teórica da situação, e uma nova prática diária, lá.

    A Direção da Escola dizia, sem pudor algum, que nós não podíamos "desagradar" aos pais porque eles pagavam, como se TRABALHAR EXERCENDO AQUILO PARA O QUÊ FOMOS PREPARADOS pudesse ser sinônimo de "desagradar"...

    Vou me limitar a esse depoimento pessoal, pois - se for desenvolver idéias teóricas - vou fazer um texto imenso, aqui; e já basta os textos imensos de meu próprio BLOG...rsrsrsrsrs

    PARABÉNS PELO SEU TEXTO, QUE JÁ ESTÁ BOM D+!
    BJS!

    ResponderExcluir
  24. Groo, desculpa pela demora nos comentário, mas é que peguei dois vírus. Um era o vírus da gripe e outro era no computador mesmo. rs

    A educação no Brasils sempre foi um problema e o governo nunca fez nada pra mudar. Inclusive o governo, nunca foi feito pra pobre e sim pra rico. Ele atende os interesses da classe AA e não da D e E como deveria. Aí vem aqueles programas assistencialistas e mascaram o reino podre da Dina... Digo Brasil.

    A Veja é uma piada.

    Valeu! Votei lá no teu blog na comunidade. Sou meio suspeito pra dizer isso rs

    ResponderExcluir
  25. Assim como várias funções na sociedade, o professor deixou de ser importante.
    Por que não se valoriza mais o ser humano na essência, mas o que ele pode oferecer, e para marginais, professores não são muito "úteis", não?

    ResponderExcluir
  26. Os pais estão abrindo mão do papel de educar e delegando-o para a escola. Mas delegando só as responsabilidades, porque a autoridade eles não admitem. Eles não gostam quando o professor pune ou chama a atenção de seus filhos, sentindo-se pessoalmente atingidos. Algumas reações de pais são lamentáveis. Imposível para o professor educar uma criança ou adolescente se não tem o apoio de pais e direção da escola. Aqueles têm que passar a encarar o professor como parceiro, não inimigo.

    ResponderExcluir
  27. E o pior é que não há solução imediata para o problema da educação, seja em casa, ou nas escolas. E como ensinar os filhos quando os pais não entendem o que é educação?!

    ResponderExcluir
  28. A educação de um jovem eh um processo em comunhão da escola e de casa.Quando uma dessas partes se torna negligente, problemas como os mostrados atualmente, vem a tona.

    ResponderExcluir
  29. NINGUÉM COMENTA A VIOlENCIA VENDIDA NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO, PRINCIPALMENTE A TELEVISIVA. MALHAÇÃO QUE INCENTIVA OS JOVENS A DESRESPEITAR A OPINIÃO DOS PAIS, DESENHOS DE VIOLÊNCIA, CRIANÇAS JÁ EM SUA TENRA IDADE RECEBENDO MENSAGENS DE VIOLÊNCIA E NINGUÉM FAZ NADA. QUEM QUER BRIGAR CONTRA A GLOBO, POR EXEMPLO. NÃO ADIANTA DEMAGOGIA, NÓS SABEMOS QUE AS LEIS DO PAIS EM RELAÇÃO AS CRIANÇAS SÃO ABSURDAS E SÓ PUNEM OS PAIS. E QUEM PROTEGE OS PAIS E PROFESSORES DA AGRESSÃO DESSAS SEMENTES DO MAL GERMINADAS PELA TELEVISÃO? OS BANDIDOS ESTÃO COLOCANDO AS CRIANÇAS PARA ROUBAR E ESTAS QUANDO APANHADAS SÃO LIBERADAS, "SÃO MENORES TADINHAS". E OS MORTOS POR ESSAS PESSOAS QUE, EMBORA DE MENOR IDADE, SÃO NA ALTURA, MUITAS VEZES, MAIS ALTAS DO QUE OS MAIORES, SÃO VÍTIMAS E NUNCA SEUS PARENTES VERÃO A AUTOR IR PRA CADEIA! PARA FINALIZAR. O BRASIL ESTÁ DE MAU A PIOR. NÃO VEJO UM FUTURO BOM PARA O PAIS A CONTINUAR DESSE JEITO. OS JOVENS SÓ QUEREM FUNK E DROGAS, AS MENINAS SÓ QUEREM ABRIR AS PERNAS E DROGAS RESULTANDO EM FILHOS QUE NEM ELAS SABEM QUEM SÃO OS PAIS! OS "CANTORES" DE LETRAS VIOLENTAS ESTÃO ABERTAMENTE SE APRESENTANDO EM CASAS DE SHOW, OS PODERES ESTÃO PODRES, SÃO "SARNAEIS" QUE SÃO PÉSSIMOS EXEMPLOS AOS JOVENS. E UM PAIS QUE TEM UM CHEFE DE NAÇÃO DITO ANALFABETO E MULHERES QUE GANHAM MILHARES DE REAIS PARA MOSTRAS AS NÁDEGAS!!! QUE INCENTIVO TERÃO OS JOVENS PARA ESTUDAR? DEIXO MINHA PERGUNTA NO AR PARA A COINCIÊNCIA DE CADA UM!!!!!!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails