quinta-feira, maio 08, 2008

Elevador também é cultura!

Apesar da minha profunda aversão a elevadores e também por já ter feito meus exercícios matinais, liberei-me de subir os degraus da escada até o segundo andar da empresa e fui mesmo naquela caixa metálica com uns barulhos de cabos de aço sendo puxados ( por que fazem aquele barulho do tipo "moído"?) pelas roldanas (calafrios!!!).

Logo acima do painel onde ficam os botões (tem uns botões ali que eu nunca saberei o que significam), um selo atestando a garantia da manutenção pela empresa ThyssenKrupp.

Não, não é propaganda da empresa. É que esses termos não me soam estranhos. Comecei a lembrar de algumas leituras e de algumas aulas de história.

THYSSEN é a metalúrgica alemã onde o “turco” Ali trabalhou em condições sub-humanas com seus companheiros também da Turquia. Não entendeu nada? Calma que eu explico.

Faço referência ao extraordinário “Cabeça de turco – uma viagem aos porões da sociedade alemã”, livro-denúncia do jornalista alemão Günter Wallraff. Wallraff disfarçou-se como turco, inclusive adotando um sotaque turco e com erros constantes à língua alemã, e passou 02 anos nesta condição registrando as experiências e recolhendo depoimentos que trouxeram à tona as condições degradantes do cotidiano dos imigrantes turcos na Alemanha.

Wallraff – ou Ali Sinirlioglu, seu pseudônimo adotado – escreve relatos indigestos:

“Hermann conta como as coisas funcionavam na Thyssen: ‘Trabalhamos de dezesseis, doze, treze horas horas num único dia – todos os sábados, todos os domingos, todos os feriados – sem parar. Páscoa, Pentecostes, não importa. Lá estávamos nós. Muita coisa precisava ser feita. Haviam desligado o alto-forno para ser totalmente limpo. Já imaginou? Trabalhamos como escravos, debaixo de chuva, vento, neve, frio – não importa. Os uniformes ficavam ensopados”.

Além da jornada massacrante, os turcos ainda tinham que conviver com todas as demonstrações de intolerância e preconceito:

“Vários banheiros da Thyssen vivem rabiscados com frases e insultos xenófobos. Nas paredes da fábrica também sempre há alguma pichação ofensiva aos imigrantes, e ninguém se encarrega de apagá-las. Eis alguns exemplos típicos dessa literatura de mictório, recolhidos dentre centenas nas instalações Oxygen I:

Merda boiando = turco nadando
Melhor mil ratos na cama que um turco no porão
Fuzilem todos esses turcos de merda!”


O livro foi publicado em 1985, há mais de 20 anos, portanto, causando grande impacto. Suponho que muita coisa deva ter mudado na Alemanha em relação ao tratamento aos imigrantes, especialmente os turcos. Uma amiga que vive na Alemanha me disse que os turcos são muito bem tratados na região onde ela vive.

Voltando ao nome Thyssen, não é apenas neste livro que há essa referência. Estudando alguns textos sobre o nazismo, vimos que tal nome está presente durante o período em que Hitler ascendeu ao poder na Alemanha:

“A guerra estava próxima ao fim (...) não tinham [líderes nazistas] escolha senão fugir de sua terra natal se quisessem escapar vivos. Para isso precisavam não apenas de uma rede de apoio composta de homens e mulheres simpáticos à sua condição, mas de uma quantidade substancial de dinheiro. Para isto, acredita-se que em 10 de agosto de 1944 foi realizada no hotel Maison Rouge, em Estrasburgo, uma reunião secreta dos principais industriais alemães ( incluindo o magnata do aço Fritz Thyssen, que financiou a ascensão de Hitler ao poder na década de 1930)”.

Este trecho encontra-se no livro “As sociedades secretas mais perversas da história”, se Shelley Klein e tem aquele gostinho tentador de “teoria conspiratória”.

Se houve tal reunião, aí entra para o ramo das especulações ( também relacionada a uma sociedade secreta conhecida como Odessa), mas o que há de verdade aí: que figuras expoentes do nazismo, como Adolf Eichmann ( chefe do gabinete judaico da Gestapo, reponsável por “caçar” judeus) e do Dr. Joseph Mengele ( o anjo da morte) fugiram e foram parar na Argentina contando com a mais do que prestativa colaboração de Perón, presidente argentino, isso é verdade;

E que o magnata Fritz Thyssen financiou o então emergente partido nazista no ínicio da década de 20, também é verdadeiro. Tanto que Thyssen escreveu o livro “I Paid Hitler”, onde conta detalhes de sua participação no nazismo. Thyssen tornou-se amigão do Fuhrer e beneficiou-se muito desta amizade.

Mas quando falamos de guerra mundial, lembramos de duas no século XX: a primeira guerra mundial ( 1914-1918) e a segunda guerra mundial ( 1939-1945). De comum a estas guerras, além do altíssimo número de mortes, foi a artilharia Krupp.

A empresa sempre foi especialista em aço, fundições e...armamentos. Criada em 1811 a então pequena fundição tornou-se empresa e cresceu ao longo dos anos, e o nome Krupp virou célebre ao criar canhões mais leves, móveis e com grande alcance de tiro. Durante a Guerra de Canudos, no sertão baiano, o exército brasileiro utilizou canhões Krupp para conter os revoltosos liderados por Antônio Conselheiro. Este episódio da história do Brasil está ricamente detalhado no extraordinário “Os Sertões”, de Euclides da Cunha.

E na primeira guerra mundial os canhões Krupp bombarderam Paris e eram produzidos em larga escala. Era a fornecedora principal de armas ao exército alemão, condição que perdurou também na segunda guerra mundial embora, ao que se indica, o herdeiro Alfred Krupp von Bohlen não fosse simpático ao nazismo, inicialmente. Mas os grandes acordos comerciais com o exército nazista talvez tenham mudado seu modo de pensar, já que Alfred tornou-se, em 1943, Ministro das Economia de Guerra, nomeado pelo próprio ditador alemão.

Preso e julgado como criminoso de guerra, Alfred Krupp teve sua fortuna confiscada, mas logo seria solto e fez da Krupp uma das maiores siderurgias do mundo, formando mais tarde o conglomerado ThyssenKrupp que faz também a manutenção deste elevador que talvez você utilize para chegar ao seu apartamento ou ao seu escritório.

Você já tinha pensado se um simples selinho de “visto de manutenção de elevadores” tinha tanta história assim?


Seção descontração
VÍTIMA DA SEMANA: FLAMENGO!( não tem jeito)
Enquanto isso, na África do Sul, provavelmente alguém já esteja arrependido:
E "cuma"era essa historinha aí?

16 comentários:

  1. bah eu nem sabia q existia isso, nunca li nada no elevador a unica coisa foi conferir se a lotação estava certa, e se o peso tb, alias o peso nao tem mto como saber hdashduashidas

    beijos

    ResponderExcluir
  2. caramba,quanta historia, interessante que ninguem da moral pra elevador ne hehehe

    ResponderExcluir
  3. hum pra vc ver o elevador eh um contador de historia. X_x

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkk
    ADOREi!
    Como é bom ser culto hein? Consegue desenvolver um texto sobre uma "simples" marca. hehe
    Hoje em dia, em quase quualquer coisa que compramos está embutido na sua fabricação, a exploração dos pobres trabalhadores... :/
    Bom, se vc é Judeu, aconselharia a não andar mais nos elevadores com a marca: ThyssenKrupp.
    Só por precaução... :)

    ResponderExcluir
  5. Poxa que interessante, nunca poderia imagina que um simples elevador estaria envolvida em uma história maravilhosa!!

    Cara... vc pegou pesado com os coitados dos flamenguistas.. rsrsrs

    Beijão!!!!

    ResponderExcluir
  6. a história é bem interessante, mas o que me espantou mais foi essa sua memória de elefante [não sei se o elefante é bom de memória, mas se for comparar com o tamanho..acho que o ditado tem a ver com isso..bom, viajei agora] de lembrar de um nome ao olhar um simples selinho de qualidade de um elevador.
    Quando crescer quero ser assim

    ;D

    ResponderExcluir
  7. Gente! mas que regressão histórica!
    uau, to chocada. sério.
    ;*

    ResponderExcluir
  8. sashuausuahus gostei da sessão da descontração!

    ResponderExcluir
  9. Oi Groo meu mestre dos magos!! Poxa ler vc é ir lá dentro da ferida, de olhos abertos, olhando as cicatrizes deixadas. Por isso que sou tua fã. Quando eu crescer quero ser igual a vc.
    Ei mocinho!!! Estou de casa nova, dê uma passadinha lá.

    ResponderExcluir
  10. Simplesmente adorei esse post!
    Pois é, não dá pra acreditar que aquele simples selinho possui tanta história!
    E qtos turcos sofreram para que nós possamos andar de elevador em segurança hoje em dia!
    =P

    ResponderExcluir
  11. Descontraído e interessante! :) Adorei. Um beijo!

    ResponderExcluir
  12. Que graça! Obrigada pela visita... curti demais o seu, inclusive já havia dito! :) Adorei tudo!

    ResponderExcluir
  13. nooooooooooooooooooooossa... "se um simples selinho de “visto de manutenção de elevadores” tinha tanta história assim" imagine se você tivesse subido de escada? hehe


    valeu a visita...

    ResponderExcluir
  14. agora tem que começar a reparar no que tiver escrito nos cimentos da escada, nas paredes, azulejos, latas de lixo, extintor... coisas do tipo: Votorantim (aaai, dúvida cruel de ortografia), Deca, Incepa, Socicam, e por aí vai...

    tarada por design, logotipos e publicidade, fico admirando essas coisinhas do cotidiano, mas o PENSAMENTO FILOSÓFICO que eu teria acaba ao sair do elevador. hahaha!

    Adoooooro isso! sabia que no fundo, ainda ia ver alguém falar sobre o turco essa semana. Ta em evidência esse negócio de migrações por aí...e olha que já faz anos o livro...

    bla bla bla bla bla bla à parte, gostei do post!

    ; )

    ResponderExcluir
  15. Rapaz... eu tenho um problema sério com elevador. Não piso em um, nem f*dendo! Uahahhahhaahha!!! Tenho algumas histórias pra contar com tal meio de transporte, mas, creio que o espaço aqui não é suficiente, nem tampouco, o povo tá interessando em saber disso...

    Cara, já li "Cabeça de turco". Li, graças à uma reportagem que vi do Willian Waack (é assim que se escreve?!), o cara que apresenta o Jornal da Globo. Ele quem prefaciou o livro.

    A história do cara que se disfarçou com perucas e lentes de contato, pra se infiltrar como um estrangeiro em seu país e denunciar as humilhações que estes sofriam, pode parecer datado, mas é mais atual que nunca. Em tempos de skinheads, Neonazismo, nazi-skin, boneheads ou carecas, deveria ser leitura obrigatória. E tenho dito.

    ResponderExcluir
  16. Só pra constar: nem todo skinhead é preconceituoso. Ta aí a S.H.A.R.P. pra provar...

    Fuiiiii!!!!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails