quinta-feira, outubro 01, 2015

Pressas e urgências nossas de cada dia.


“A velocidade é a forma de êxtase que a revolução técnica deu de presente ao homem.”
Milan Kundera


Parei o carro no semáforo e desviei o olhar da luz vermelha para a luz prateada e cheia no céu, um lindo espetáculo que era oferecido naquele princípio de noite. “Que perigo, desatento no sinal, é de gente assim distraída que os bandidos gostam”, disseram-me. O meu olhar para a luz prateada é interrompido para as luzes do carro logo atrás do meu, piscando furiosamente e também ouço uma estridente buzina: a luz verde do semáforo acabara de surgir há alguns milésimos de segundos e com ela a largada para a grande corrida em busca de sabe-se lá o que.

Em um daqueles dias parecidos ao verão onde tudo fica mais bonito e repleto de cores vivas, dirigia o meu carro pela faixa direita da orla marítima para apreciar com mais calma os matizes de azul entre o céu e o mar. “Se quer ficar olhando a praia, estacione o carro, mas não atrapalhe o trânsito!”, disseram-me. De fato, um ônibus parecia pronto a passar por cima de mim; outro carro fez aquela ultrapassagem raivosa onde o motorista demonstra ser um ás-no volante.

Estou fazendo uma pós-graduação (daquelas que valem cada centavo e tempo investidos) e ainda faltam alguns poucos meses para a conclusão do curso. “E depois, o que você vai fazer?”, já me perguntaram. Eu devolvo um “Como assim?” e elas insistem: “Sim, e depois? Mestrado, doutorado, pós-doutorado?”. As pessoas sempre estão com pressa do futuro. Um casal de namorados ouve diversas vezes a pergunta “E aí, quando é casamento?” e depois do casamento a pergunta é "E aí, quando vão ter neném?”. E depois? Não duvido que muita gente tenha vontade de perguntar “E aí, quando vai ser o divórcio?”.

É o culto à velocidade, a cultura fast. Fast food. Fast car. Fast love. Fast fuck. Fast diet ("Perca 10 quilos em 1 semana!"). Fast carreira. Fast infância (“nossa, ela já é uma mocinha! E o namoradinho?”). Tudo tem que ser muito rápido, imediato, instantâneo e, com a mesma velocidade, ser igualmente descartável: a ordem é não perder tempo! “Tempo é dinheiro”, há séculos a frase atribuída a Benjamin Franklin é repetida e tornou-se um mantra quando se fala em eficiência. Dormir? “Aprenda inglês enquanto dorme!”, prometiam alguns métodos.  

Rápido! Corra! Depressa! É para ontem! Adianta o processo! Fique ligado! Assumimos tantas responsabilidades, prazos e  nunca estamos satisfeitos com o que temos e com o que vivemos, então corremos para... esquecer.

Nossa época é obcecada com o desejo de esquecer, e é para satisfazer esse desejo que se entrega ao demônio da velocidade; ela apressa o passo para nos mostrar que não quer mais ser lembrada, que está cansada de si mesma, enojada de si mesma; que quer apagar a minúscula e trêmula chama da memória.” (Kundera) 

Os prazos, o tempo que passa e passa rápido com novas demandas chegando a cada minuto... a cada segundo! É preciso tempo para dar conta de tudo o que chega e até do que vai. O tempo dedicado ao ócio e ao lazer é considerado excêntrico e até mesmo “suicídio profissional”. Slow movement? Um pecado! "Nadismo" em algum momento do dia? Uma loucura, coisa de "vagabundo". Nem mesmo o "dolce far niente" escapa em meio a tantas pressas e urgências. Ajustamos até processos naturais da vida ao relógio, ao implacável relógio que implacavelmente traz a lembrança da lista crescente de afazeres e até comportamentos – afinal, tem “hora” pra tudo. Hoje temos “gestores de tempo” que ensinam as melhores formas para administramos e aproveitarmos o tempo.

"Aproveitar o tempo!...
Ah, deixem-me não aproveitar nada!
Nem tempo, nem ser, nem memórias de tempo ou de ser!
Deixem-me ser uma folha de árvore, titilada por brisas,
A poeira de uma estrada, involuntária e sozinha,
O regato casual das chuvas que vão acabando,
O vinco deixado na estrada pelas rodas enquanto não vêm outras”
                                                                     (Álvaro de Campos) 

Lá pelo século IV Santo Agostinho questionava: “Que vem a ser, então, o tempo?”. Eis uma boa pergunta sobre a qual filósofos e cientistas ainda debatem. Como não sou filósofo, cientista e nem físico, prefiro desacelerar e cantar aquela boa e velha música dos Byrds:

To everything (turn, turn, turn)
There is a season (turn, turn, turn)
And a time to every purpose, under heaven
A time to be born, a time to die
A time to plant, a time to reap
A time to kill, a time to heal
A time to laugh, a time to weep

Referências: 
KUNDERA, Milan. A lentidão. Companhia das Letras, 2011.
CAMPOS, Álvaro de Campos. Poemas de Álvaro de Campos - heterônimo de Fernando Pessoa. Nova Fronteira, 2012. 

7 comentários:

  1. Jaime,

    A letra da canção citada está na Bíblia: livro do Eclesiastes, capítulo 3.

    abraço
    Satoru

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, contundente e certeiro!
    Tento imaginar para onde essa insanidade vai levar, dá até medo.
    Com sua licença, vou compartilhar!

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente fantástico o seu texto, amigo. Hoje vivemos num imediatismo exacerbado. Esse exagero todo não faz bem para ninguém. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. A minha profissão vive de prazos, mas eu procuro tentar manter um mínimo de tempo para mim. Um mínimo de tempo para observar o que está na minha volta. Pois se a gente deixar essa loucura dos dias atuais afetar as nossas vidas, a gente acaba esquecendo do essencial. Belíssimo texto reflexivo. Beijinhos estalados.

    ResponderExcluir
  5. Olá Jaime,
    Faz tempo que eu não passo por aqui. Desde os tempos áureos da blogosfera, dos quais eu sou saudoso.
    Esse tema é importante e me é caro. Afinal o tempo é o objeto de trabalho do historiador. E esse frenesi do dia a dia é a causa do que já é chamado de A Era da Ansiedade, onde uma sociedade acelerada e doente se mantém à base de remédios psicossomáticos.
    Foi pra isso que evoluímos? Foi pra esse ponto da história que os séculos de cultura e conhecimentos acumulados nos trouxeram?
    Alguma coisa está errada...
    Grande abraço meu camarada.

    ResponderExcluir
  6. Oi Jaime!

    É bem assim mesmo como descrito em seu texto, o trânsito de Porto Alegre é deste jeito que você relatou em Salvador. O tempo passsa rápido demais, algumas pessoas são estressadas e descontam nos outros com estupidez . Os tempos modernos velozes precisam desacelerar para encontrarmos mais paz e tranquilidade! Adorei saber sobre sua iniciação literária, também amava as histórias em quadrinhos. Não sabia que você é professor de Inglês, fiquei sabendo aqui no teu blog. Parabéns pela profissão e por escrever bem, são pessoas assim que acreditamos fazer a diferença no mundo e mudar este País! :)

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Sempre maravilhoso ter um tempinho livre e vir bisoiar seu blog... Rsrsrsrs... Ainda mais esse tema tão pertinente nos dias de hoje. Lembrei da liquidez de Bauman, acho que nosso tempo é líquido!
    Beijinhos !

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails