quinta-feira, março 12, 2015

A sociedade do "cagando e andando"?


Tão aguardada quanto a lista dos aprovados no vestibular e a lista de Papai Noel, a relação dos políticos envolvidos na operação “Lava Jato” foi divulgada. A reação mais comum entre os acusados foi jurar inocência e surpresa perante a opinião pública, porém ninguém chamou mais a atenção do que o atual vice-governador da Bahia, o senhor João Leão, do Partido Progressista:

Botar meu nome numa zorra dessas? Não entendo. O que pode ser feito é esperar ser citado e me defender. Estou cagando e andando, no bom português, na cabeça desses cornos todos.”

Percebe-se que o vice-governador baiano, dono de refinado vocabulário, sabe escolher bem as palavras gentis para sua defesa. Na verdade ele expressa o que a maioria da classe política brasileira faz cotidianamente: está “cagando e andando” para mim, para você e para qualquer coisa que não seja de interesse pessoal ou dos comparsas partidários. O escritor Lima Barreto, autor do ótimo “Os Bruzundangas”, apresenta uma sátira política e social publicado em 1923 e que continua muito atual:

O cargo dá-lhe certos incômodos, mas muitas vantagens: não paga selo nas cartas, não paga bonde, trem, nem teatros, onde continua a quase não ir. O que o aborrece, sobretudo, são as audiências públicas – uma importunação para esse parente de São Luiz. Mais o amolam do que lhe dão fadiga. Ao sair de uma delas, diz à mulher: 
- Que povo aborrecido!
- Mas que tem você com o povo?” 

Voltando ao gentleman João Leão: em 2010 foi eleito deputado federal com mais de 200 mil votos. E os políticos citados na operação Lava-Jato, deputados e senadores, não chegaram ao Congresso sem passar pelas eleições – e alguns deles são velhos conhecidos e frequentadores assíduos das páginas de escândalos políticos, como o senhor Renan Calheiros. E com isso a pergunta é inevitável: será que não estamos “cagando e andando” também não apenas em relação à política, mas em algumas ações cotidianas que deveriam ser mais cidadãs? 

Lembro uma situação emblemática: com o carro parado no semáforo vermelho, vi o sujeito no veículo ao lado do meu jogar uma latinha de cerveja na rua. Com um tom mais agradável que eu pude encontrar, chamei a atenção do rapaz sobre descartar o lixo daquela maneira; com uma cara de poucos amigos, o sujeito olhou para mim e soltou a pérola: “Fique na sua!”. Duplamente equivocado, pensei: sabe-se lá quantas cervejas aquele rapaz consumiu e ainda assim estava dirigindo colocando em risco não apenas a própria vida como também a de outros motoristas e pedestres; e aquela latinha vai juntar-se a tantas outras jogadas na rua e entupirá bueiros – na primeira chuva mais forte veremos as consequências do “fique na sua”, um equivalente, neste caso, ao “estou cagando e andando” para a cidade, para a cidadania, para o meio ambiente, para outras pessoas.

Os exemplos são inúmeros, basta observarmos com atenção diversas situações onde o “cagando e andando” parece prevalecer na sociedade – desde jovens rapagões e moças malhados em academia estacionando seus veículos nas vagas destinadas para deficientes e idosos até juízes que deveriam zelar pelo cumprimento das leis e que fazem uso da “carteirada” e utilizam bens apreendidos pela Justiça de forma pessoal. 

O grande problema, nas palavras do professor Mário Sérgio Cortella, é que “estamos nos acostumando – com rapidez e sem resistência ativa – com alguns desvios que parecem fatais e inexoravelmente presentes, como se fizessem ‘parte da vida’: violência, desemprego, fome, corrupção e outros.”. Ficamos indignados – e com razão - pelas grandes corrupções em que políticos e empresários estão envolvidos, porém muitos de nós estamos “cagando e andando” para as chamadas “pequenas corrupções” cotidianas e considerando as mesmas como “normais”. 

São as contradições que infelizmente não tornam muitos de nós tão diferentes dos políticos que foram eleitos e que estão literalmente “cagando e andando” para a sociedade. 

10 comentários:

  1. Esse é um problema crônico de ética!
    Ontem mesmo estava estudando Biologia com a minha prima,e a mãe dela soltou essa incrível 'pérola' : "A Mariana é boboca,nem pra colar serve!Não é esperta!"
    E eu não acreditando naquilo que estava escutando aquilo.Enfim...só um(infeliz) exemplo de como os valores éticos estão cada vez mais escassos em nossa famigerada sociedade.E o mais irônico foi em que minutos,( a mesma mãe),estava criticando a Dilma pela corrupção do governo.
    Enfim,fico com os versos do Milton Nascimento:

    "E há que se cuidar do broto
    Pra que a vida nos dê flor e fruto"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a falsa moral que tanto anda em voga por estes nossos lados, Dani... o famoso "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço". Difícil crer em algo de positivo a longo prazo se os modelos não incentivam a ética. Obrigado por sua contribuição sempre rica! bjs!

      Excluir
  2. Contundente, verdadeiro, perfeito... Parabéns, Jaime!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. uma Santa Páscoa na certeza de que precisamos de ressuscitar na alegria, na esperança e no amor, todos os dias. abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá Jaime!
    Seu post é muito verdadeiro e reflete a lama que está o Brasil... o baixo nível é o que impera... rebaixaram mesmo o nosso País... como pode serem tão mau caráter, ladrões, sem nenhum escrúpulos... o povo brasileiro não merecia esta corja que está no poder... mas ainda bem que existem pessoas de bem que estão tentando mudar isto! As pessoas honestas tem outra mentalidade e não compactuam com essa sujeira toda... E é importante posts como o seu, que faça refletir e lembrar quem são os corruptos para nunca mais votar neles!
    Feliz Páscoa à você também todos os dias do ano para um mundo mais humano! :)
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bia, felizmente ainda temos muitas pessoas honestas e com mentalidade bem diferente - o que nos anima um pouco mais para o futuro, não é? Um abraço e obrigado! :)

      Excluir
  5. Esse é o maior problema da nossa sociedade: o comodismo em suas várias vertentes. Só lembram de reclamar nas rodas de conversa ou quando isso atinge diretamente as suas vidas. A mudança tão desejada deve ser de todos. Até quando vamos continuar assistindo a corrupção se alastrar? Até quando? Ótima postagem, amigo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente este o termo, Aline: comodismo. Esperamos muito pelos outros ( governo, geralmente) e não fazemos nossa parte. Muito obrigado. Beijos.

      Excluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails