quarta-feira, março 13, 2013

O mundo ao avesso

(imagem de fundo da charge: Farol da Barra, daqui

Eduardo Galeano
, notável escritor uruguaio, é autor do livro “De pernas pro ar – a escola do mundo ao avesso”. (Editora L&PM) Trata-se de uma coletânea de fatos, eventos históricos e personagens em que “no fim do milênio, o mundo ao avesso está à vista de todos”. A edição da L&PM ainda traz gravuras incríveis de José Guadalupe Posada

Tomarei emprestada a ideia de Galeano e relacionarei alguns exemplos de fatos, eventos e personagens que foram destaque recentemente em Pindorama – claro que sem o talento do magistral escritor uruguaio, de quem segui o conselho das últimas páginas do livro: “O autor terminou de escrever este livro em 1998. Se você quer saber como continua, ouça ou leia as notícias do dia a dia”. 
                                                                    ***

Aulas de Ciências e Meio Ambiente


Todos nós sabemos que o Congresso Nacional é uma instituição onde vários absurdos acontecem, mas desta vez exageraram na dose. A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados será presidida pelo deputado e pastor evangélico Marcos Feliciano, autor de bobagens como “africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé”, “sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças” e “AIDS é o câncer gay”. Sim, estamos no século XXI, antes que alguém pergunte. 

Já na Comissão do Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização (CMA), o presidente eleito é o senador Blairo Maggi, agraciado com o prêmio “motosserra de ouro” por ser um dos maiores desmatadores do Brasil e por considerar que “esse negócio de floresta não tem o menor futuro”. Sem dúvida, um homem de ideias devastadoras. 


Pedagogia das ruas


O motorista Alex Siwek, 22 anos, atropelou um ciclista em São Paulo. O braço direito de David Santos, 21 anos, foi arrancado com o impacto do acidente e permaneceu preso ao veículo. O que o estudante de Psicologia fez? Jogou o braço do ciclista em um córrego. Freud não explicaria e Jung nem sonharia com algo assim. Provavelmente.  

E na Bahia a Secretaria de Segurança Pública resolveu dar uma dica preciosa para os baianos cada vez mais acuados pela violência crescente no estado: “carregue um pouco de dinheiro (para satisfazer o ladrão)”. Pena que o site da SSP-BA não deu nenhuma dica de quanto seria esse “pouco”. O jeito é perguntar ao ladrão: “Estudante paga meia?”  


Currículos e didáticas modernas


Como a escola anda muito chata, o jeito é alterar o currículo para torná-la mais atraente. Então São Paulo resolveu mostrar como se faz: nos três primeiros anos do Ensino Fundamental I ( o antigo primário) nada de matérias como Geografia, História e Ciências no currículo. O negócio é reforçar em Matemática e Português para que os alunos possam fazem bonito nas avaliações externas – Prova Brasil e SARESP. Quem sabe o próximo passo não seja retirar também todos os professores das escolas? 

Por falar em professores, houve um tempo em que o material de trabalho de um professor era livro, lápis, caneta, giz, apagador; mas isso era antigamente: hoje o bom professor precisa estar conectado às novas tecnologias e ter um tablet, um blog, um revólver... um revólver? Ou qualquer outra arma de fogo, pois agora a "formação de professores" no Texas, EUA, inclui aulas de tiro. As reuniões pedagógicas nas escolas nunca mais serão as mesmas.
                                                                        ***

 É melhor encerrar por aqui esta brevíssima coletânea de exemplos de como as coisas na Terra de Santa Cruz estão de pernas para o ar – e se dermos uma olhadinha no que acontece por esse mundão afora, a coletânea aumentaria. Porém, como escreveu Galeano, a história não acaba aqui: ela continua. Assim, como tenho direito ao delírio, ainda sonho com dias em que “sejam reflorestados os desertos do mundo e os desertos da alma”.  

24 comentários:

  1. Brasil, o país da piada pronta. O problema é que ultimamente a piada não tem mais a mínima graça.

    ResponderExcluir
  2. Jaime,

    Quanto mais se fode o Povo, mais Povo nasce. Este paradoxo, eu o inventei agora, inspirado nas abominações que tu relataste, meu amigo.

    beijunda
    "poeta satoru" rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que chamo de "tirar proveito das adversidades", poeta Satoru! :)

      Excluir
  3. Acho que enquanto tivermos pão e circo está tudo bem e isso o governo sabe dar com maestria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O circo já não oferece bons espetáculos, mas ainda temos um bocadinho de pão, Camila...

      Excluir
  4. Jaiminho,
    retorno com a calma que teus textos merecem, tá bom?
    ADOREI teu comentário por lá!
    Beijos e até!

    ResponderExcluir
  5. Olá, professor!

    O me emp%#tece não é simplesmente ter um presidente abertamente racista e homofóbico na CDHM ou um anti-ambientalista na CMA, mas o fato de q esses caras são apenas uma das consequências de um processo de décadas: a política brasileira não está nem aí para os direitos humanos ou meio ambiente. Eles assumem a presidência simplesmente por conta de um conchavo, sobrou pra eles, ninguém quis (nem governo, nem "oposição") eles estavam lá à espreita e garantiram seu bocado. Triste cenário.
    Tom Jobim dizia q o Brasil é um país de cabeça pra baixo. Pois é.

    bjohnny!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quer ver o cenário piorar mais ainda, moça cabofriense? Viu quem são os membros da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara? José Genoíno e João Paulo Cunha, condenados pelo STF no caso do mensalão. Mas a pérola das pérolas ainda é desta Comissão: PAULO MALUF integra uma comissão de JUSTIÇA!

      Como cantou Caetano, "alguma coisa está fora da ordem".

      Bjks!

      Excluir
  6. Realmente,o mundo está de pernas para o ar.O mundo anda tão grotesco,presenciamos tantas sandices.Desde o Congresso Nacional até um simples passeio na rua,só nos deparamos com bizarrices.Ainda bem que alguns não perderam o bom senso;ainda se indignam e arregaçam as mangas para tentar consertar aquilo que não está correto.Talvez,proceda daí,o que me resta de fé no ser humano.A vida é bela,nós é que estragamos tudo,no alto de nossa prepotência humana.

    Beijão,Jaime!Dani.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, está complicado. Mas é prosseguir e não perder a fé, pois temos coisas boas por aí. :) bjs!

      Excluir
  7. Jaiminho,
    voltei!
    Talvez o que eu fale não tenha exatamente a ver com o texto, embora tendo... entendeu?
    pensei nos desafios dos professores quanto a concorrer numa didática que puxe a gurizada para as aulas... penso especificamente aqui nos adolescentes, num mundo de 'clics' de mouse, onde se sai e entra num assunto e outro e outro em clics, assim como relacionamentos. Imagino os desafios, e penso que dentro da educação, da didática, tinha que ter mais elementos da comunicação, ou seja, o professor ser o melhor "link" daquele momento, o que ele diga e ensine ali, naqueles minutos, seja o que a gurizada naquele momento irá mesmo prestar atenção. Creio que todos professores teriam que ter um pouquinho de professor de cursinho pré-vestibular, algumas técnicas de chamar o pessoal ao tema - desculpe se saí mesmo do assunto, mas penso o quanto deve ser difícil 'prender' aqui no sentido de fazer apreender no pessoal os conhecimentos, ou instigá-los, fazer o cérebro deles malhar.

    Beijos e acho que viajei, mas você me entende! Foi a pimenta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissinha, entendi perfeitamente!

      Sobre este assunto há uma série de ponderações. Evidentemente que os alunos de hoje estão imersos na cultura digital - podemos chamá-los de "nativos digitais" dada a facilidade com que entendem e navegam pelos novos meios de informação e comunicação. Os professores até tentam promover essa interação e há até mesmo um esforço através de cursos de formação dentro da área de tecnologia educacional (como exemplo, o PROINFO, do governo Federal) no sentido de formar professores com habilidades pedagógicas no uso das tecnologias - embora a neurolinguística e a neurociência tenha dado grandes contribuições nos últimos anos e nem sempre isso é debatido ou aprofundado em muitos cursos de licenciatura. O grande problema é que o sistema educacional é burocrático demais e é bastante difícil conciliar este avanço tecnológico dentro de um sistema engessado que tolhe a criatividade e a autonomia tanto de alunos como de professores e gestores. A escola, do jeito que está, não é atrativa para ninguém. É preciso repensar a função da escola atualmente, repensar currículos, tamanho de turma, conteúdo e carga horária nas unidades de ensino, a valorização docente e a formação dentro de um sistema que ofereça condições para que tal formação seja de fato relevante... e criar uma política de estímulo a leitura não apenas nas escolas, mas nos espaços públicos. Contadores de histórias, poetas, cordelistas nas praças, no metrô, na rodoviária, nos centros comunitários, nas creches, enfim, em vários espaços!

      Vixe, até eu viajei um pouco! rsrs

      Beijinhos e obrigado pela sua valiosa contribuição, como sempre! :)

      Excluir
  8. Fala meu nobre amigo Jaime,
    Os últimos dias têm sido para dar choque de realidade a qualquer ser otimista que se preze (não é o meu caso) porque raras vezes vimos tantas sandices juntas num tão curto espaço de tempo, conforme seu apanhado deixou bem claro.
    Eu me preocupo com o caminho que estamos seguindo e acho que duas coisas podem acontecer: ou a sociedade brasileira (leia-se, as pessoas de bem e sensatas que até agora estão assistindo a tudo isso boquiabertas), pega as rédeas do país e o coloca nos eixos, ou então é mesmo o fim de qualquer ilusão civilizatória e a solução é uma passagem de ida para a Groelândia...

    Grande abraço meu chapa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve, Almir! Eu também ando bastante preocupado com os rumos que algumas políticas vêm tomando ultimamente. E isso é só o que sabemos - o que rola nos bastidores deve ser bem pior. :( Um grande abraço e obrigado!

      Excluir
  9. Olá, Jaime.
    Creio que toda época possui seus absurdos, mas os atuais estão meio que exagerados.
    Nosso país de algum tempo pra cá vem cada vez mais sendo vítima da crescente intolerância da parte de alguns pretensos líderes religiosos que, por ignorância ou safadeza mesmo, se acham no direito de criticar tudo aquilo que não concordam e, especialmente, o que não fazem questão alguma de entender (como a genética, por exemplo).
    E o pior de tudo isso é ver que milhões de brasileiros também são levados por este mesmo caminho, ainda que sem má intenção.
    Soma-se tudo isso ao descaso do Governo e a coisa toda piora (por mais que se ache que isso não é mais possível).
    Acho que tudo o que podemos fazer quando vemos ou lemos absurdos como este é expressarmos nossa indignação e sempre procurarmos agir corretamente, porque é o que dá para fazer; fazer a nossa parte e esperar que os demais também o façam.
    Abraço, Jaime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacques, eu acho que o que pudermos fazer no sentido de criar uma massa crítica ( via blogues, via redes sociais, via bate papo nas ruas e praças), já é de grande ajuda. O que não podemos é ficar incrédulos e paralisados com tanto absurdo. Obrigado e um abraço! :)

      Excluir
  10. Oi Jaime
    Meu filho que sempre estudou em escola particular estava fazendo uma lição de casa e não achava Estocolmo, gritou: -Mãe eu tô com o atlas
    aberto mas não acho esse país! Eu que estudei em escola pública há trocentos anos, não fiz faculdade respondi: - Estocolmo é uma capital, só não me lembro o país, mas é na Europa, procura aí. Vc Jaime sabe é claro que é a capital da Suécia, ele tá no 8° ano, estudando no Objetivo, imagine as outras crianças, e eu sei que seu post se refere a outro tipo de educação. Então só posso concordar contigo parceiro.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciana, você está ao lado do seu filho e o ajudou na lição de casa. É o que falta para muitas crianças, mas infelizmente muitas mães não têm condições ou não conseguem... :( Uma pena mesmo. Parabéns! E obrigado! Bjs! :)

      Excluir
  11. Jaiminho,

    Meu professor predileto! Sabe que ao ler o título ao avesso, lembrei de José Sarney que depois de décadas na política agora vem e fala que a releição é um perigo. Avesso para mim é ver Cristina beijar o papa. Avesso para mim é O papa Francisco ser chamado de convivente com a ditadura. Avesso para mim é o PT ser a direita. Enfim, penso que vivemos uma época não da dialética, mas do contraditório momentâneo, ou seja, posições são flexíveis como sorvete no deserto.

    Desculpe-me chegar só agora, mas os dias tem sido longos por aqui e ando pelo avesso nas datas de entrega.

    Beijos e cuide-se!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luluzinha,

      eu não conseguiria complementar com avessos melhores do que estes que você citou. E não se preocupe com o avesso das datas de entrega, sei como ficarmos de pernas para o ar com estes prazos! :)

      Beijos, fessora dileta! :)

      Excluir
  12. São situações inacreditáveis, mesmo.
    Quando acho que já vi de tudo... sempre acabo me surpreendendo!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Já estou seguindo seu blog pelo Google friend conect, tem um belo conteúdo, convido a conhecer meu blog, que fala sobre espiritualidade, profecias e astrologia: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com.br/. Abraço

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails