quarta-feira, maio 23, 2012

Dalton Trevisan: "Um bom conto é pico certeiro na veia"


Deve ter sido surpresa até para ele, mas o fato é que o escritor curitibano Dalton Trevisan foi o grande vencedor do Prêmio Camões 2012, que premia escritores de língua portuguesa. Trevisan faz parte de uma lista de vencedores que conta com nomes do quilate de José Saramago, João Cabral de Melo Neto, Jorge Amado e tantos outros premiados desde 1988.

Dalton Trevisan é um escritor recluso, avesso às entrevistas e exposição midiática, tal como os norte-americanos Thomas Pynchon e J.D.Salinger. E até por isso recebeu o apelido de “Vampiro de Curitiba”, título de uma de suas obras mais conhecidas. Ao menos não se tornou personagem de teorias conspiratórias malucas como a de que Thomas Pynchon seria, na verdade, Jim Morrison.

O nosso Vampiro de Curitiba é mais um dos grandes escritores pouco reconhecidos no Brasil, como Campos de Carvalho, Fausto Wolff, José Cândido de Carvalho, Antônio Torres e é melhor parar por aqui ou a lista será imensa. Espero que o Prêmio Camões e uma exposição maior na mídia por conta disso torne a obra de Dalton Trevisan mais conhecida – contos de estilo direto e objetivo, com doses de sarcasmo e humor negro que podem afugentar os mais puritanos. Ao menos ele vai ter que sair de casa para receber os 100 mil euros da premiação. 

Para quem não o conhece, apresento alguns contos e minicontos deste escritor – e para quem já o conhece, divirta-se. 

No velório

No velório, a viúva:
- O que separou a gente foi a morte.
- Coragem, Maria.
Um longo suspiro.
- A vida dele acabou...
- ...
- ...e a minha hoje começa!

O gemido

- Não acredito. Nunca te fiz gozar?
- Isso mesmo.
- Houve uma vez, sim. Bem que você gemeu.
- Eu? Nunquinha.
- Até gemeu alto.
- Agora me lembro. É mesmo. Eu gemi.
- Viu, amor?
- Essa  tua fivela de cinta. Me machucando.

42

- Ai, querido, você não deve me censurar. Eu não volto sempre para você? E sempre mais experiente, mais segura de mim. Não fossem os outros, me diga, saberia eu comparar? Cada um deles só me faz reconhecer que você é o grande, o único, o eterno amor de minha vida.

51

- Do amor desprezado fiquei mudo, surdo e cego. Mudo porque você não me fala. Surdo porque você não me ouve. Cego porque você não me vê.

82

Para ele o rico pastelzinho. Para ela o cheiro de fritura no cabelo.

138

Ao chegar em casa, do programa no motel, o marido é saudado com um grito pela mulher:
- Eu soube de uma coisa terrível!
Pronto, ele pensa, estou perdido. Ela descobriu tudo.
- Pô...o quê...mas o quê... O que aconteceu?
- Mataram o filho do seu João!
- Urr...Orra. É mesmo? Pobre do seu João.
Te devo essa, Deus.

Contos “o gemido” e “o velório” do livro “Duzentos Ladrões”, editora L±
Contos 42, 51, 82 e 138 do livro “Pico na Veia”, editora Record.

44 comentários:

  1. Genteee, adorei! Não me perdoo por não conhece-o ainda!
    Mas já estou apaixonada!
    Valeu mesmo a dica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila! O bom em literatura é que sempre há tempo para conhecer esses escritores, né? E o Dalton Trevisan é ótimo! :)

      Excluir
  2. Também gostei. Eu não conhecia esse autor. Fez bem em publicar trechos de suas obras e divulgar o prêmio a ele concedido.
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Lúcia, ele tem umas coisas mais "pesadinhas" às vezes - e é um ótimo escritor por isso também rs

      bjs!

      Excluir
  3. Boa tarde, prof. Jaime.

    Chique no úrrrtimo!

    beijunda
    Satoru

    ResponderExcluir
  4. Jaime..Profi..
    Muito bacana o reconhecimento pelo escritor Dalton Trevisan.
    Sua postagem rendeu-me alguns sorrisos em frente a tela!
    Amei!
    bjinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Méritos do Dalton Trevisan por ter arrancado esses sorrisos, Ma! :)

      bjs!

      Excluir
  5. Eu conheço este autor, e realmente, dá para notar que ele faz o tipo mais recluso, pois não ouço falar muito dele. Li já vários contos, histórias, microcontos.. gosto do estilo dele. Leve e divertido sem extravagâncias.

    Que bom ele ter recebido um prêmio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A extravagância dele, Marina, é ser o mais objetivo o possível. Ele é ótimo e o prêmio foi merecido! :)

      Excluir
  6. Oi Jaiminho,

    Tudo bem? Estou aqui triste por não ter lido nada do autor. Vou procurar os contos e tirar as minhas impressões. Estou me sentindo uma "inciente", palavra criada pelo meu pai quando desconheço obras e autores brasileiros.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luluzinha! Ah, não se preocupe, o bom da literatura é isso: ela permanece aí para que possamos acompanhá-la em algum momento. Espero que você goste do Vampiro de Curitiba! :) Bjs!

      Excluir
  7. Jaiminho, meu bichinho!
    Tudo bem?
    O Dalton Trevisan é leitura obrigatória para todo a pessoa que queira ser escritor. Conheci um pouco da obra dele apenas em 98, quando fiz uma oficina de conto de ano inteiro com o escritor Assis Brasil, aqui na PUCRS. Oficina essa que é bastante conhecida aqui, e agora que o Assis é Secretário da Cultura do RS, ficou ainda mais conhecida. O Assis, recordo, disse que era básico, pois os escritos de Dalton chegam a uma minimização, que era essencial ao fazer literário.
    Com o tempo percebi que o erro mais recorrente em aprendizes, no que me incluo, são os excessos, e o Dalton chega a perfeição técnica nos cortes e serve como grande referência. Você deve ter percebido, evidentemente, que ele pouco usa os artigos indefinidos, e não repete muitas adjetivações, não faz verbos compostos, e por aí vai...
    Beijinhos! E te cuida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissinha,

      exatamente: obrigatório. E não é fácil ter essa concisão no texto, não. Há quem pense, ao ver um miniconto, que tal resultado é "fácil de ser conseguido". Ledo engano: reduzir e ser objetivo é algo que muitos escritores perseguem e outros tantos perseguiram. Drummond já dizia que escrever é a arte de cortar palavras - ou foi Tchekov, não recordo bem.

      Beijinho, minha nêga! E obrigado! :)

      Excluir
  8. Oi Jaime
    Eu acredito que o Brasil tem ótimos escritores, até aqui na blogosfera temos o Christian que é um jovem escritor que é ótimo, não conhecia esse, pelo pouco que vc colocou, realmente ele mereceu o prêmio. Belo post. Grooeland também é cultura!
    Bjos. e um bom resto de semana.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana! Sim, sim, o Brasil tem ótimos escritores mesmo, o Christian é um desses ótimos escritores, sem dúvida. E o Dalton Trevisan, como bem escreveu a Cissa, é fundamental, é ótimo! :)

      bjs e obrigado!

      Excluir
  9. Jaiminho, que delícia de postagem! Olha, eu confesso que não conhecia esse escritor, até ler sobre ele aqui(li seu texto ontem... mas, sacomé, né!? A pressa é danada...)... Então fui conversar com um amigo escritor(que fez niver ontem... rsrsrs) e comentei com ele sobre sua publicação. Ele me disse que gosta do Dalton Trevisan, justamente esse estilo direto e objetivo que ele tem. Enfim, dois queridos falando sobre o moço? Terei que procurar ler seus escritos!

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joicy, eu tenho certeza de que você vai gostar muito dos contos e novelas do Trevisan. Em algumas passagens lembra um Bukowski mais seco e direto - como se fosse possível rs. O Dalton Trevisan é bem conceituado entre os escritores, mas falta(va) ser reconhecido. :)

      bjks!

      Excluir
  10. Oi, amigo Jaime!
    Dalton Trevisan é um escritor genial. É merece a honraria.
    Sou fã de seus minicontos, ainda não consigo fazer assim.
    Sua apresentação está muito didática.
    O bom é que o grande público da blogosfera toma conhecimento do autor.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bento!

      É realmente difícil trabalhar com minicontos. É preciso ter um "feeling" para saber o que e onde cortar, o que excluir da cena... eu já tentei também, mas foram tentativas um tanto frustradas rs.

      Obrigado!

      Abraço!

      Excluir
  11. Ola Jaime,
    Eu conhecia vagamente o trabalho do autor. É uma pena como o trabalho de gente tão genial não é divulgado como deveria na grande mídia. Ainda bem que existem blogs como o seu que se preocupam com a causa. Parabéns!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Flávio. Eu tenho a impressão de que ele poderá ser reconhecido um tanto mais a partir deste prêmio. Até no twitter comentaram sobre o Dalton Trevisan, imagine... Valeu! Abraço!

      Excluir
  12. Interessante, vou procurar ler!

    Falando em livros, li um recentemente muuuito legal, chama-se Histórias Íntimas: Sexualidade e erotismo na história do Brasil , é muito interessante e uma puta aula de história, pensei em vc, que é professor!

    Beijos e bom fds!!!

    ps: mais uma vez obrigada pelos comentários atenciosos =) A crise passou =) =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Myself, você vai gostar do Trevisan. Este livro que você citou, se não estou enganado, é mesmo de uma historiadora. Del Priori, Mary Del Priori, algo assim, não estou lembrado. Bjs e obrigado pela dica! :)

      PS: Eu sabia que a crise passaria! Que bom! =)

      Excluir
  13. Jaiminho,
    voltei rapidinho ainda para dar uma última olhada no que o povo tinha comentado na nossa parceria. E deu bastante comentários, não?
    Obrigada por tudo, e também pelo comentário atual!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissinha, acho que foi uma das postagens que mais rendeu comentários por aqui. Bom, fazer parceria contigo é assim, o seu fiel público leitor fica curioso e vem dar uma olhadinha por aqui - e alguns até acabam gostando e ficando por aqui rsrs

      Eu é que tenho a agradecer! :)

      Bjs!

      Excluir
  14. Boa noite, Jaime.
    Sou outro que só conhecia o Dalton Trevisan de nome.
    Ele está entre os muitos contistas/cronistas que devo ler, mas nunca li.
    Sobre o que comentastes lá no meu texto do Lobo Mau, ainda tenho até hoje meus velhos gibis da Disney também, como Almanaques Disney, Edições Extra, Tio Patinhas e Disney Especial, e acho que meus preferidos são a série Pateta Faz História (que tem saído em formato grande) e a série Feliz Aniversário Donald, onde foram reeditadas histórias antigas dele, do Carl Barks, nos gibis de 84 (quando ele fez 50 anos).
    Um bom fim de semana pra ti e até a próxima, Jaime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacques, se tiver a oportunidade não deixe de ler Dalton Trevisan, creio que gostará.

      Caramba, você tem verdadeiros tesouros aí! Eu tinha muitos Almanaques Disney, diversas Edições Extra e gibis do Tio Patinhas e Donald, nossa, aos montes. Pena que o tempo passou, mudanças de casa e de cidade e de estado aconteceram e perdi boa parte da coleção.

      Tem saído ultimamente uma coletânea de histórias reeditadas em um gibi chamado "Big Disney". Foi bom reler algumas historinhas :)

      Obrigado, Jacques! Um abraço!

      Excluir
  15. Oii. Só conhecia o autor de nome mesmo, mas nunca cheguei a ler nenhuma obra dele, admito. Estou com várias obras aqui em casa para ler, mas vou anotar o nome dele, para ver se consigo algo para leitura. Gostei do que vi aqui.
    Beijão.

    http://vitaminadepimenta.blogspot.com.br/
    @LariCrazy_

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você goste, Larissa.

      Obrigado pela visita e comentário!

      bjs!

      Excluir
  16. Oi Jaime!

    Sua dica das metas é realmente boa; estou tentando traçar!
    Mas só vou poder começar a fazer algo de relevante a partir do ano que vem, porque a minha meta desse ano é conseguir visitar minha amiga na europa; estou guardando cada centavo a muuiiito tempo, nada pode ser desviado até novembro,rs!
    Estou pensando seriamente em cursar fotografia, porque é uma coisa que amo fazer e o curso não é tão caro.

    Quanto ao livro do Dalit, recomendo mesmo viu, o autor é o Marc Boulet, vc acha facinho pra baixar na internet.
    O interessante é que mesmo nas castas mais altas, porque ele tb passou uns 4 dias fingindo ser brâmane, é bem tosco, sem conforto, um horror!
    O cara é ninja,rs!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Myself, este livro eu vou caçar é no formato tradicional mesmo, tenho dificuldades para ler livros no formato digital rsrs Mas eu me interessei, sim, vou procurar. Já tenho dois na lista para o próximo semestre: "Trilogia suja de Havana" e este do Dálit.

      Então, o importante é que você está com metas. Isso, sim, é o que vale. O que não pode é ficar "a esmo", não é?

      Bjs!

      Excluir
  17. Oi Jaime!

    O Dalton Trevisan, é uma grande referência pra quem quem ser um excelente Escritor. o Prêmio Camões deu a ele um ponto ainda mais alto na popularidade.

    Parabéns pela postagem.

    Grande abraço Jaime, e ótima semana.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, Smareis. Espero que tenhamos mais leitores das obras do Trevisan.

      Um beijo pra você e ótima semana! :)

      Excluir
  18. Olá Jaime! Faz um tempão que não compareço no teu blog mas aqui estou eu!Daltron Trevisan era o meu favorito para fazer aquelas famosas teses de faculdade,eu adoro o jeito como ele escreve,é de uma intimidade...O seu olhar revela nuanças da do homem enquanto sujeito social como nenhum outro.Quando eu souber escrever deste modo tenho certeza que serei considerada gente!O prêmio Camões foi mais do que merecido! Beijocas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Carolina! Ah, esse estilo do Dalton Trevisan é ótimo mesmo, não? Prêmio muito merecido, sem dúvida! bjks!

      Excluir
  19. Pouco leio esse tipo de literatura, talvez isso sirva como justificativa medíocre para o fato de eu não conhecer nada da obra de Dalton Trevisan, até ter visto no blog do Xico Sá uma referência ao livro Macho não ganha flor. Como títulos volta e meia me fisgam, esse está sendo trazido pelos Correios junto com A gorda do Tiki Bar, q custou 7,99 (deu até pra comprar com meu salário). Vai pra fila, espero gostar.
    Eu ia falar tbm sobre como os brasileiros indicados em grandes premiações mundo afora são pouco conhecidos (ó no q dá não ser bom de bola), mas já não lembro mais o q ia dizer e Tico e Teco estão com sono e me obrigam a limitar minha tosquice.

    bjohnny!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moça cabofriense,

      A gorda do Tiki Bar tem dois contos que até viraram novela: "Capitu sou eu" e "Rita Ritona" ( se não me engano). Tem ótimos momentos, creio que você vai gostar. E viva a L&PM por disponibilizar Dalton Trevisan a R$ 7, R$ 10, R$ 12 e por aí...rs

      Bjks!

      Excluir
  20. Olá, querido Jaime!

    Dalton Trevisan, apenas conhecia por nome e não tinha lido nada de seus contos até agora e, confesso, esses fragmentos me deixaram com água na boca. Nunca devemos comparar, mas alguns pedacinhos me lembraram Mario Quintana. É como Diz Régis Tadeu - a música brasileira vai mal? Cê que pensa... O mesmo deve servir para Literatura. Apenas as massas estão se excluindo das coisas boas. Só lamento por elas. E olha que prêmio gorducho! 100.000,000 euros? E eu que pensei que o Jack London fosse um dos poucos escritores que fez um pé de meia com os livros...

    Beijoos!

    T.S. Frank
    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ticy!

      Pois é, a intenção era essa: deixar um gostinho de "quero mais" no leitor rsrs E o Régis Tadeu tem razão. Muita coisa boa acontece tanto na música, na literatura, nas artes fora do "mainstream". Tem muita gente boa que precisa só de uma oportunidade ou melhor divulgação - e tanta porcaria sendo vendida como genial que a gente nem consegue pensar em algo diferente além daquela palavra "jabá" rs

      Ah, alguns escritores fizeram um pé de meia com literatura. O Dalton Trevisan eu creio que não, mas agora com o prêmio ele nem precisa mais recorrer à minguada aposentadoria rsrs Pena que esses méritos só aparecem depois de anos: o Bukowski também foi ganhar uns trocados com literatura depois de sei lá quantos anos de idade rs

      Beijoo

      Excluir
  21. Boa tarde, Jaime.
    Realmente, acho que daqui a 15 anos irá sair a versão "melhorada" de Chinese Democracy, com duas músicas e um monólogo shakespeareano do Axel Inspetor Bugiganga Rose.
    Quem duvida é louco.
    E nunca curti muito punk rock, acho que porque é cru demais, e o Joãozinho Podre parece que fazia por merecer seu nome.
    Nestas de "fazer apenas por dinheiro" acho que o último exemplo péssimo foi o filme do Lanterna Verde, uma verdadeira bomba que o diretor Andrew Davis admitiu ter feito pela grana.
    E minha inspiração para o Genserico verborrágico acho que foi o insano Rei Arthur do Monty Python, mesmo.
    E o Ronaldinho, hein Jaime, tava demorando pra aprontar, daqui a pouco ele vai parecer numa foto em uma favela fazendo C V com as mãos e na maior cara de felicidade.
    Abraço, Jaime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daqui a 15 anos, Jacques, Axl Rose vai contratar outra banda esquisita para tocar as covers de "Chinese Democracy I" - porque dizem que ele tem material para mais 4 álbuns. A julgar pelo "Chinese...", tomara que continuem guardados.

      Ah, o Ronaldinho! Eu já sabia. Isso não iria dar certo mesmo. Azar do Flamengo, azar da Patrícia, coitada.

      Abs!

      Excluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...