sábado, janeiro 10, 2009

Cadê os sapos?

É isso mesmo o que você está lendo: um texto sobre sapos. Meus 2 ou 3 corajosos leitores devem pensar que pirei de vez. Mas não é nada disso. Não sou biólogo e nem estudante de ensino fundamental escrevendo alguma redação sobre bichinhos. Tampouco falo de contos de fada. Vou falar de sapo mesmo, o bicho nojento e nada simpático que vive em...

Esse é o problema. Sapo, hoje, tá difícil encontrar. O bicho, não os manés que se acham os príncipes da moda. Até brejo é uma raridade. Deram lugar a condomínios de luxo ou viraram pasto pra gado. O assunto é sério e é tema de várias pesquisas entre biólogos, zoólogos e cientistas. É só digitar “extinção dos anfíbios” no Saint Google para se aprofundar sobre o problema.

Há quem sustente a tese de que os nossos amigos sapos estão em um processo de desaparecimento parecido ao dos dinossauros. As mudanças no clima do planeta (sei que você não agüenta mais ouvir falar, mas é isso aí: aquecimento global), poluição, o uso de pesticidas, herbicidas, desmatamento (ah, o progresso! E as estradas que encurtam distâncias para o automóvel soberano esmagar tudo quando é bicho em seu habitat!) – os anfíbios são animais muito sensíveis, apesar da aparência grotesca – são as hipóteses mais levantadas entre os que se dedicam a estudar o tema.

Mas porque estou falando sobre estes nada simpáticos mas úteis bichinhos, com tanta coisa acontecendo no Brasil e no mundo ( Israel detonando a Palestina, pra variar e a ONU mostrando para que serve)?


Primeiro que ninguém liga pra sapo. Nem eu, na verdade. Mas como bom observador, estive há pouco no sertão baiano, em uma região próxima à Chapada Diamantina. Não vi um sapo ou uma rã sequer. E olha que visito a região há muito tempo (desde criança) e sempre vi abundância de anfíbios no local – principalmente deste sapo simpático aí na foto, o sapo cururu.

Não que eu saia por aí caçando sapos e rãs. O que me chamou a atenção mesmo foi a quantidade de insetos, principalmente de besouros, à noite. Sem predadores naturais – e aí sentimos a falta que o sapo faz – eles se multiplicam rapidamente. E o povo se protege como pode: inseticidas, mosquiteiros, repelentes, etc e etc.

Citei algumas hipóteses que ameaçam os anfíbios e ainda tem outra: o pessoal vê um sapo ou uma rã e mata. Estes bichos em geral não oferecem perigo ao homem – a não ser que alguém literalmente engula um sapo, que tem glândulas com substâncias tóxicas. Há algumas rãzinhas coloridas na Amazônia que são perigosas, mas estas ficam lá no coração da floresta.

Os anfíbios acabam “pagando o pato pela feiúra”. Quer ver outro bicho que “paga o pato pela feiúra”? A simpática e inofensiva lagartixa (não, ela não transmite ‘cobreiro’). O bichinho quebra o maior galho comendo tudo que é inseto nas casas e o que ganha em troca? Uma vassourada ou uma chinelada.

Sábio mesmo é minha avó com seus 80 e poucos anos que diz: “o povo tá matando os bicho pra se matar respirando veneno”.

Alguém discorda?

12 comentários:

  1. Oe Groo!!!
    Então, sobre a Maysa ... eu odeio a globo! Odeio mesmo, pois é uma forma horrivel que a elite usa para manipular as camadas populares e convencê-las de que são lixo, porém a Maysa é apaixonante e vamos concordar que infelismente, a rede globo produz as melhores séries, no aspecto de qualidade de imagem, figurino e bla bla bla!

    ResponderExcluir
  2. Sobre os sapos ...
    Nossa! Boa reflexão !
    Aqui em Piracicaba também estão sumindo, eu nunca mato porque eu gosto deles ...
    Os lagartos que nadam no nosso rio aqui também estão virando churrasco !!!
    Sei lá né ... até onde vamos!?
    ps: Estou incluida nos seus 2 leitores né?! uehueheuhe

    ResponderExcluir
  3. Polícia ! há!
    Como diriam meus amigos lá de cima do morro:
    Se sair tiroteio aqui, a gente corre do lado dos bandidos!
    Engana-se quem pensa que a guerra entre Policiais e Traficantes é pelo fim do tráfico, mas sim pela continuação da maior fonte de renda alternativa do país!
    Policiais honestos são como os sapos, estão sumindo!
    Por isso digo, legalize já!
    :D

    ResponderExcluir
  4. "“o povo tá matando os bicho pra se matar respirando veneno”."


    cara. isso é a mais pura verdade.
    ninguem percebe o que ta fazendo, e se percebe, nao faz nada pra mudar.

    abraço

    ResponderExcluir
  5. Comentário mulherzinha: morro de medo de sapo, rãs e familiares.
    Pois é.
    :P

    Que eles fiquem, "anfibiamente" comendo insetos e se refrescando nos brejos, lagos e afins.
    Que eles perdurem para equilibrar o ecossistema, etc, etc.
    É feio, eu sei, mas... medo é medo, né? Negar porquê?

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Um bom post! Nunca tinha parado para pensar que até os sapos estão sumindo. Aqui em Vitória são os carangueijos, estão destruindo os nossos mangues!
    abs

    ResponderExcluir
  7. “o povo tá matando os bicho pra se matar respirando veneno”
    Frase sábia.
    Ontem ainda vi um sapo aqui perto de casa, mas quando li seu texto percebi como a quantidade de alguns bichos diminuiu significativamente em pouco tempo.
    Fico muito feliz por ter visto aquele sapo ontem.
    Um fenômeno inverso que acontece há algum tempo, é o exacerbado aumento dos cachorros de rua.
    esse 'povo sem noção' adota o cão e quando cansa o manda para a rua!
    É hora de retificar a cabeça dessa gente.

    ResponderExcluir
  8. O bairro onde moro há uns quinze anos atrás era uma área de restinga. As dez ruas que o formam - são só dez mesmo, nem no mapa da cidade estamos - estão cercadas pelo que resta da vegetação original. É muito comum aparecerem cobras e sapos em quintais que tenham muitas plantas e os mosquitos, principalmente de noite, surgem em grande quantidade. Quando digo que nós é que estamos ocupando o habitat desses animais e que a solução para diminuir os mosquitos é que as pessoas parem de matar sapos, lagartixas e outros répteis, me olham como se fosse uma louca. Bom saber que não sou a única que acha vital para o ser humano preservar os sapos.

    ResponderExcluir
  9. Neste ano novo fui a uma chacara, la encontramos um sapo no vestiario perto da piscina, não fizemos nada so demos um jeito das crianças ficarem longe.
    =D

    ResponderExcluir
  10. Texto muito bom! Fico realmente preocupado com essas coisas! Temos que cuidar melhor do nosso mundinho!

    Abraços
    http://sociedadedosmalas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. sua avó tem toda razão! mas que dá vontade de atropelar uns sapinhos na estrada dá....

    ResponderExcluir
  12. Hum.....................
    Estamo bem em comentários! Isso que chamo reconhecimento da competência!
    Oi, sou eu, sua Vírgula, lembra de mim? Hum! Hum!

    Então.
    Sapo pra mim é um assunto chato, ainda estou traumatizada, parei no analista. Novembro passei uns dez dias em Genipabu (ou Jenipabu,até que decidam) e foi perereca pulando em mim na hora do banho, eu dormindo tinha sapo na cama, aca! Preciso do meu remédio!

    Beijo!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails