sábado, agosto 02, 2008

Otoridade!


No Brasil, então, podemos ser caxias ou autoritários, como personagens típicos do mundo das leis e da ordem; podemos ser renunciadores e beatos que querem estar fora deste mundo, quando somos religiosos e pretendemos fundar um modo de existência paralelo; e podemos também ser malandros e jeitosos, políticos hábeis e sagazes, quando não enfrentamos a lei com sua modificação ou rejeição frontal, mas apenas a dobramos ou simplesmente passamos por cima dela.

Da Matta, Roberto. O que faz o brasil, Brasil?. Ed.Rocco, 12ª edição
Creio que esta definição sobre o modo de ser do brasileiro - de como ele se relaciona com as leis e as “otoridades” em seu cotidiano – é perfeita. Por mais que queiramos ser “caxias” e seguir todas as recomendações para o mínimo de ordem e cumprimento de leis, existe toda uma máquina burocrática e as indefectíveis “otoridades” que nos obrigam a transitar por todos esses modelos. Quem já não abriu mão de uma “cantada”( também conhecido como “jeitinho”) para conseguir alguma coisa diante de uma “otoridade”intransigente e cheio de “num pode” – mesmo que se tenha razão e esteja apenas e tão somente exercendo um direito adquirido ?

Não, não estou escrevendo errado, não. É “otoridades” mesmo. É aquele sujeito simplório, ignorante e desconhecedor até de sua própria função mas que tem uma farda, um uniforme ou está protegido por um balcão e tem o poder de “adiantar ou atrasar” sua vida com um simples carimbo ou número de cadastro em computador.

O mais curioso é como se dá a transformação em “otoridade”. Basta o sujeito colocar o crachá ou a farda e repentinamente a sensação é de que ele adquiriu super poderes, tal como um Clark Kent careta e certinho que entra em uma cabine telefônica e em 3 segundos lá está o Superman confiante e poderoso.

Se isso explica o comportamento das policiais que atiram primeiro e perguntam depois? Nada justifica, é claro. Mas enquanto as autoridades constituídas ( estas, de alguma forma, eleitas ou especialistas que ocupam cargos com relevância e que teriam o “poder”) falam em “capacitar melhor os policiais”, infelizmente a postura de alguns policiais que agem como verdadeiros “otoridades” e “donos do pedaço” continua sendo comum.

Morei alguns anos ao lado de um batalhão da PM. A postura de alguns desses “defensores da lei e da ordem” era deplorável: paravam os carros no meio da rua, não sinalizavam, desciam e batiam papo com os colegas. Quem estava atrás querendo passagem não podia buzinar. Um sujeito que ousou buzinar duas vezes foi “advertido” por 3 policiais que praticamente cercaram o carro; mulheres que passavam na rua eram paqueradas com todos os gracejos imagináveis; viaturas estacionadas em frente a garagens residenciais e o dono, para sair ou entrar, tinha que procurar por alguma “otoridade” que retirasse a viatura da frente. E tinha que pedir isso com todo o jeito possível...

Claro que não são todos os policiais, evidente. Mas no momento em que vestem a farda ou o uniforme e colocam os apetrechos, muitos se transformam no arquétipo da “otoridade”, o que os tornaria cômicos, se não utilizassem da truculência ( e às vezes até tiros) para se impor - e isso se aplica a alguns "seguranças" de lojas, estacionamentos e outros estabelecimentos comerciais.

As “otoridades” estão às pencas por aí. Não apenas no serviço público, mas também nas empresas privadas. A diferença é que em tais empresas as “otoridades” chamam os mortais do outro lado do balcão de “senhor /senhora”, além de tentar enrolar e testar a paciência do reles mortal. Experimente ir a um balcão de atendimento de uma dessas empresas que se acostumaram a resolver tudo via telefone.

Se há solução? Vai saber. Parece ser algo histórico, que já vem “encravado” no DNA brasileiro, desde o seu "descobrimento" ( leia o final da carta de Pero Vaz e veja um puxa-saquismo explícito para, logo depois, um "pedido especial" por parte do escrivão). Sem dúvida que um sujeito honesto e que procura levar seu dia-a-dia na retidão de seus atos revolta-se em ter que abrir mão do “jeitinho” para lidar com as “otoridades” atrás do balcão com um crachá ou com um fardamento qualquer e fazer valer seus direitos adquiridos ou mesmo conseguir uma simples informação.

Mas infelizmente o conceito de “bom cidadão” é aquele do sujeito que “paga todos os impostos”. Não raramente, para exercer a cidadania, só mesmo com o "jeitinho" para "amolecer as otoridade". Saindo disso, é "caxias". E é assim, nessa ambigüidade, que vamos "tocando a vida".


O AMOR É MESMO LINDO...
...não é verdade? Aposentados pelo INSS e que estejam viúvos ou à procura de uma companheira 30 anos mais jovem, linda e charmosa, basta seguirem o exemplo deste italiano, o tal de Flávio Briatore.

Tudo bem que ele é apenas o chefão da equipe Renault de F1 e dono de uma fortuna considerável, mas o que realmente importou para a moça ( Elisabetta Gregoraci, a nova esposa do empresário) talvez tenha sido outro fator - ou fatores. Bem, como diria um cantor de uma banda que eu não gosto, "quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração"? 

4 comentários:

  1. vc e SHOW!!!
    Suas observacoes de mundo SACODEM!!!

    ResponderExcluir
  2. Realmente... essas "otoridades" ferram com a vida de gente honesta e correta...
    se colocam atrás de fardas e cargos para por puro desleixo ou prazer atrasar a vida ou abusar dos cidadãos de bem!

    ResponderExcluir
  3. Realmente o amor é lindo! :) [e a conta bancária dele tbm!] - E as atualizações? Saudade de vc no meu blog! Bjo grande! Aninha

    ResponderExcluir
  4. Ótimas colocações! Parabéns pelo blog! Obrigado por ter comentado lá no meu espaço, vc tb escreve de uma forma muito autêntica!!!

    Bjos

    Josi
    http://minhasmisturas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...