sexta-feira, abril 09, 2010

Chuvas no Rio e em Salvador: deixem São Pedro fora disso.

Não foi a primeira vez e nem será a última. Assistimos, consternados, as imagens dos estragos causados pelas chuvas que caem sobre o Rio de Janeiro. A capital e a região metropolitana sofrem com temporais desde a tarde de segunda-feira, dia 05 e a quantidade de desabrigados é imensa – só na capital há cerca de 5 mil pessoas desabrigadas.

A situação mais desesperadora é em Niterói, na região metropolitana do Rio. Para saber mais informações sobre a tragédia nesta cidade, recomendo a leitura do blog do meu amigo e jornalista Renan Barreto, morador de Niterói. Acessem por aqui.

Na Bahia as chuvas chegaram com força. Como não poderia ser diferente, causou muitos estragos e transtornos na capital, Salvador, e região metropolitana, além de algumas cidades do interior. Até o momento são 48 famílias desabrigadas na capital por conta dos temporais que acontecem desde a noite de quarta-feira, dia 07. As ruas e avenidas de Salvador se transformam em rios, as águas invadem as casas, a empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica no estado ( COELBA) não se entende com a população e bairros passam até 40 horas sem energia ou mesmo qualquer posicionamento quanto ao restabelecimento da mesma. Para agravar ainda mais o cenário de caos, a rede municipal de ensino suspendeu as aulas e em alguns colégios da rede estadual não há condições para receber alunos e professores.

Salvador, BA: filme velho, reprise
Episódios como estes que ocorrem todos os anos no Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e várias outras cidades e capitais brasileiras demonstram claramente que não existe infra-estrutura adequada para suportar chuvas até mesmo de pequeno e médio porte – o que dirá uma verdadeira tempestade como no caso do RJ.

Tomemos como exemplo a cidade de Salvador, terceira maior população do Brasil. (quase 3 milhões de habitantes) A população cresce, logo há uma demanda maior por serviços como educação, saúde, transportes, moradia. Isso é óbvio, mas parece que os governantes não entendem assim. Uma chuva com pouca intensidade - o que não é o caso desta vez, mas quem vive na capital baiana sabe como é - praticamente paralisa as principais vias da cidade, tanto as antigas como as recentes ( muitas são mal planejadas); o metrô é aguardado há 10 anos e se arrasta em uma rede de brigas políticas, desvios de verbas e irregularidades.
Se o trânsito não recebe atenção devida das autoridades – a não ser pela indústria de multas – o que dirá do ordenamento e uso do solo? As famílias pobres acabam se alojando em áreas de risco, o poder público tem conhecimento e não há providências – tal como aconteceu no Morro do Bumba, em Niterói, que era um “lixão”.

Antes que alguém diga que “os pobres são culpados por construírem suas casas de forma irregular nas encostas, pirambeiras de morro e ao lado de córregos”, custa lembrar também que o mesmo poder público que diz “não haver espaço para abrigar essas pessoas” cede alvarás para a construção de condomínios fechados para famílias de classe média alta em região onde se encontra parte da Mata Atlântica em Salvador – o que é tão irregular quanto a ocupação de áreas de risco, além do desmatamento. Fatores como dinheiro + falta de vontade política + omissão + descaso pela população pobre auxiliam a formar um triste quadro.
Todos juntos, vamos, pra frente Brasil, salve a seleção

Não sou contra Copa do Mundo, adoro futebol - não, não é "alienador", mas não vou tratar disso agora - e sou apreciador de várias modalidades esportivas que são disputadas nos Jogos Olímpicos. Mas entendo que se um país quiser sediar eventos de grande importância como os citados – em 2014 e 2016 – é preciso primeiro arrumar a casa. E o COI –Comitê Olímpico Internacional – está alerta e sabe que é preciso muito mais que “oba-oba” para o sucesso dos jogos.

Apenas a demolição e reconstrução do Estádio da Fonte Nova, em Salvador, encontra um orçamento inicial (notem bem) em R$ 591 milhões. Mesmo que seja através de consórcio entre construtoras privadas parece-me indecente pensar em construir um estádio que provavelmente terá alguns desvios aqui e ali – como a reforma de um estádio menor aqui em Salvador, com orçamento inicial de R$ 22 milhões e que acabou custando R$ 55 milhões – enquanto a população é desprezada em seus direitos mais básicos de cidadania. A Copa e Jogos Olímpicos trarão benefícios para a população de modo geral? Essa é a bandeira e a esperança, mas a julgar pelo legado que os Jogos Pan Americanos deixou aos cariocas...aliás, qual foi o legado?

Não se trata aqui de fazer uma “caça às bruxas” na busca de culpados pelas tragédias. A população tem sua culpa ao jogar lixo nas ruas, por exemplo- aliás, isso é uma verdadeira praga em Salvador: leia o post "Fique na sua" para melhores considerações; Também tem culpa em se deixar enganar por propagandas de políticos envolvidos em corrupção ( olhaí a ficha limpa!) e futilidades televisivas. Chuvas, em maior ou menor escala, são fenômenos naturais e não precisamos voltar ao século XVIII e XIX e achar que a natureza é “inimiga”, embora ainda persista o ideal que a natureza é inimiga do progresso – lembre-se de um Paulo Maluf dizendo que engarrafamentos no trânsito são bons porque representam o progresso. A natureza apenas reage como pode às agressões sofridas.

Só que o poder público não deve se omitir de suas obrigações, inclusive constitucionais - aliás, a Constituição prevê, em seu artigo 6º, que a moradia é um direito social. E infelizmente tal omissão é o que acontece, a não ser quando há (muito) dinheiro envolvido na parada. Como na questão dos royalties do petróleo, que teve até governador chorando e falando sobre “irresponsabilidade”. Se não fosse trágico seria cômico.

Imagens: A TARDE e Correio da Bahia
Siga-me, em qualquer tempo, no twitter: www.twitter.com/jaimeguimaraess

11 comentários:

  1. Jaime, meu querido. As chuvas não pouparam ninguém. A caça as bruxas está aí. Querem culpar alguém. É inerente ao ser humano esse sentimento, mas não podemos esquecer de que essa caça é inútil, afinal os culpados são vários. Omissão e inoperância do poder público, falta de educação e cooperação da população. Tudo isso somado é igual a tragédias. As pessoas não têm a noção das besteiras que falam. Eu escrevi um post imenso sobre o que aconteceu em Niterói... não sei se tenho muito a comentar mais.

    Sei que as autoridades estão em estado de choque. As pessoas em pânico. O grande problema do brasileiro é remediar o irremediável e nunca prevenir. Sinto pena desse povo...

    E que venha a copa para esquecermos tudo...

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. É verdade, Renan, há uma busca por culpados quando na verdade há um conjunto de fatores que determinam tais tragédias e transtornos.

    Só que me irrita profundamente a postura dos governos em tratar tais assuntos como "fatalidade" ou "coisas da natureza", isso quando não querem dar a entender que "a culpa é daqueles pobres que ocupam os morros". É revoltante.

    E que venha a Copa...rs...um abraço, meu velho, obrigado pelo excelente comentário!

    ResponderExcluir
  3. "Esta chuva imóvel só eu cuspindo". - Walter Campos de Carvalho.

    Gostei muito deste sítio informativo.

    Diego Moraes

    http://www.darmilhoaosbois.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. eu li um artigo da Mirian Leitão... na vdd, eu li um artigo que dizia ser da Mirian Leitão (se eu encontrasse o link...) e ele falava sobre como as autoridades tratam esses acontecimentos como fatos isolados. há tempos os meteorologistas estão cansados de falar q a situação climática só vai piorar, mas que nome político está preocupado com isso no Brasil? talvez seja melhor pra eles lançar um bolsa enchente invés de pelo menos tentar fazer algo de fato.
    não só na região metropolitana, a região serrana e o norte fluminese tbm sofrem (muito) com desmoronamentos e inundação, mas os eventos da capitár sempre tem maior destaque e como houve a catástrofe maior em Niterói, as atenções se voltaram todas pra lá. no caso específico da cidade do Rio, acredito que o erro esteja lá atrás, no momento em que resolveram asfaltar tudo (tá. quase tudo), a água não é mais sugada naturalmente pelo sol (ok, tamanha qntidade não seria absorvida rapidamente de qq forma). pra onde a água escoaria, se os canais estão obstruídos ou foram diminuídos para dar espaço ao "progresso"? ok, não tenho nenhuma autoridade em geoqualquercoisa e vou parar de falar bobagem - antes q eu entre na questão dos moradores de encostas. eu devia ter postado apenas o link do texto da Mirian Leitão...

    ResponderExcluir
  5. "construção de condomínios fechados para famílias de classe média alta em região onde se encontra parte da Mata Atlântica"
    Igualzinho a Jundiaí (SP)!

    http://tudo-em-cima.blogspot.com/2010/03/vergonha-alheia-jornal-de-jundiai.html

    ResponderExcluir
  6. É nessas horas que se vê cumprida a promessa de campanha do candidato a gestor público de levar água e esgoto a todas as residências. Literalmente. A culpa quando o estrago é somente nos lugares ´pobres acaba recaindo sobre os próprios. Quando é com os ricos, é das intempéries, mas nesse último caso, o poder público não demora a tomar providências. Valeu demais, meu amigo! Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Oi Jaime, estou há dias tentando postar meu comentário, mas andei muito gripada... Rsrsrs... Culpa da chuva! Rsrsrs...
    Então, esse problema das construções em morros já é antigo. Assunto esse que só volta a tona quando acontece uma tragédia como essa última. Daqui a pouco todo mundo esquece, a mídia esquece,a população pobre esquece e volta a construir suas casinhas nas encostas condenadas por um determinado governo que passou e entrou outro que para ganhar votos até pavimenta ruas que antes eram lixões...
    Esse "ESQUECE" e que não pode acontecer. A chuva existe e sempre vai existir o que não é natural é o total descaso com isso! Falta consciência política, ecológica e educacional. Sim o povo é mal educado! Joga lixo nas ruas sim! Então foi: Chuva, lixo, descaso, falta de saneamento = Desastre certo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Não sou geógrafa e nem mué do tempo,mas, é uma questão de lógica tempestades nos trópicos.Só os inúteis dos políticos não sabem disso.

    ResponderExcluir
  9. huahuahauuh legau seu blog.

    Brinks.

    Cara, já reparou como a "chuva" só atinge mesmo, as regiões carentes?Parece que é coisa armada dos políticos para os pobres se F***** e as pessoas da classe média pensarem "quem mandou esse cara construir o barraco dele ali".

    A chuva é ocasional porém a má estrutura para lidar com isso, parece malequivamnete bem arquitetada.

    Estou num senso de conspiração.

    Hum, ok, senso de conspiração idiota sem utilidade. A não ser duvidar sem ter bases.

    Sobre o resto é repetir os comentários acima, e chover no molhado, ops! Acho que já choveu demais...rs


    0/

    ResponderExcluir
  10. huauhahuahuahu legau seu blog.


    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .


    Cara a folha de são paulo abriu concurso para várias modalidades ligadas a ilustração, entre elas charges, meu se inscreve lá que tu pode virar colaborador da folha por 3 meses!

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/concurso_ilustracao-regulamento.shtml


    passa no meu blog?

    rs

    ResponderExcluir
  11. É por isso que temos que nos unir e pedir nossos direitos aos políticos, tentar escolher os que fizeram alguma coisa... mas as pessoas ainda não se tocam disso!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e o seu comentário! É sempre bom receber o retorno dos leitores.

Todas as opiniões são livres, porém não serão aceitos comentários anônimos e tampouco comentários ofensivos, discriminatórios e que não prezam pelos princípios da boa convivência - o autor do blog reserva a si o direito de excluir comentários com tais temas.

Volte sempre! =)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails